Endereços oficiais são os mesmos

iG Minas Gerais |

Com dez dias para apresentar sua defesa à comissão que vai investigar o caso, o vereador Gilberto Lixeiro (PMDB) deve declarar que, durante os anos em que a esposa recebeu o Bolsa Família, eles estavam separados. Com isso, o pagamento do benefício deixaria de ser irregular, já que, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), as regras do programa se aplicam a um mesmo núcleo familiar.

Se eles moravam em casas diferentes, a esposa do vereador, Gislane Luciane da Silva, poderia ter direito a receber o benefício, desde que sua renda não ultrapassasse os R$ 420 – considerando que ela vivia com os dois filhos, incluídos no cadastro do Bolsa Família como dependentes.

“Ele disse, informalmente, que não estava morando na mesma casa que ela”, destacou o presidente do colegiado Fábio da Silva (PSB), ao ressaltar que todos os fatos devem ser levantados. De fato, Gilberto e sua esposa, Gislane, só oficializaram o casamento em 21 de dezembro do ano passado.

Endereço. No entanto, a Prefeitura de São João del Rei confirma que, após denúncia do Tribunal de Contas da União (TCU) que pediu a apuração da irregularidade, uma revisão nos cadastros do Bolsa Família no município constatou que o endereço de Gilberto Lixeiro é o mesmo que consta na ficha cadastral de Gislane, uma casa na região do Tejuco. (LP)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave