Reajuste de 8% passa em segundo turno

iG Minas Gerais | Raquel Gondim |

Câmara votou os dois últimos vetos do prefeito na sessão de ontem
Mila Milowski/CMBH/Divulgação
Câmara votou os dois últimos vetos do prefeito na sessão de ontem

Em mais uma sessão extraordinária após um início de mandato em ritmo lento, os vereadores de Belo Horizonte aprovaram ontem, em segundo turno, o projeto que concede reajuste salarial de 8% para os servidores da Câmara. O texto foi aprovado na forma de substitutivo número 3. Os funcionários da Casa serão contemplados com um aumento de 4% a partir do mês em que a decisão for publicada, e de outros 4% em agosto.

Os parlamentares deram aval ainda, em primeiro turno, a um reajuste para auditores e procuradores da prefeitura da capital.

Antes de votar os projetos, os vereadores analisaram os dois últimos vetos do prefeito Marcio Lacerda (PSB). Foi rejeitado o veto ao projeto que proíbe a cobrança do Custo de Gerenciamento Operacional (CGO) das empresas de transporte público da capital.

Após um período marcado por obstruções das votações, a Câmara tem conseguido limpar a pauta graças a um acordo firmado entre a oposição e o líder de governo, o vereador Preto (DEM), envolvendo a composição das comissões temáticas da Casa.

ALMG. Já na Assembleia, o ritmo dos trabalhos continua lento. Até o momento, nenhum projeto foi aprovado em plenário neste ano. Nas reuniões foram mantidos cinco vetos do governador Antonio Anastasia (PSDB), incluindo os dois de ontem.

O de maior destaque é o veto ao projeto que obrigava o comércio do Estado a fornecer sacolinhas plásticas para os clientes.

Taxistas

Mantido. Os vereadores mantiveram o veto parcial do prefeito ao projeto que concede isenção de ITBI para imóveis com valor venal inferior a R$ 158 mil e de ISSQN para os taxistas da capital.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave