Guilherme 'comanda' aniversário do Galo: "represento uma nação"

Jogador vem deixando de lado as críticas para se transformar em uma peça importante dentro do plantel alvinegro

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Guilherme assoprou as velinas de bolo comemorativo na Cidade do Galo
WEBREPÓRTER/SUPERFC
Guilherme assoprou as velinas de bolo comemorativo na Cidade do Galo

No dia em que o Atlético chega a seus 106 anos de vida, o atacante Guilherme foi o encarregado de soprar as velinhas do bolo de aniversário do clube, na sala de imprensa da Cidade do Galo. A ocasião acabou sendo bastante especial para o encarregado desta 'missão'. Afinal de contas, o jogador completa, nesta terça-feira, três anos vestindo a camisa alvinegra.

Mas antes de apagar o fogo das velas, Guilherme fez questão de frisar que representava toda uma nação. “O pedido que faço é que o clube possa conseguir mais títulos e possa fazer ainda mais história”, sintetizou o avante, que possui uma trajetória de superação e marcada por episódios gloriosos, assim como o time que defende.

Criticado muitas vezes por boa parte da torcida e atormentado por várias lesões desde que chegou ao Atlético em 25 de março de 2011, com o desafio de substituir Diego Tardelli, o atacante deu a volta por cima graças a participações de destaque em vários momentos decisivos da equipe.

Qual aficionado alvinegro não se lembra da impecável atuação do atleta na final do Mineiro de 2012, contra o América, rendendo o título ao Galo? Ou o passe cirúrgico a Jô na difícil vitória alcançada sobre o Santa Fe, por 2 a 1, na Libertadores desse ano?

Mas, sem dúvida alguma, o momento mais marcante do camisa 17 foi o gol sobre o Newell's Old Boys, na edição passada da principal competição sul-americana de clubes. Graças aquele chutaço de fora da área e que foi morrer no canto direito do goleiro, o Atlético foi para a disputa de pênaltis da semifinal. O final da história, todo mundo sabe.

Sem lesões nessa temporada, Guilherme se apega aos bons momentos para continuar a mostrar o bom futebol exibido nessa temporada, até o momento.

“Falo um balanço positivo no geral. A única coisa negativa foram as lesões. Mas me apego muito aos momentos decisivos, como o Mineiro de 2012, e a semifinal e a final da Libertadores de 2013. Esse ano, houve momentos bons. E sigo em busca de fazer o melhor e ficar aqui no clube por mais anos”, destacou o avante, que aproveita a deixa para parabenizar o Galo pelos 106 anos.

“O Atlético representa muita coisa para mim. É um clube que me deu até o presente momento o título mais importante da minha carreira. Hoje (terça-feira) faz três anos que me apresentei ao clube. E a cada jogo, espero contribuir com a história bonita que esse clube construiu”, disse.