Vitor Penido assume em breve e promete reduzir a máquina

Publicação da decisão que cassou o prefeito Cassinho vai permitir que deputado volte à prefeitura

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda |

Ansioso. Penido aguarda aval da Justiça para assumir a prefeitura e implantar seu estilo de gestão
Zeca Ribeiro_
Ansioso. Penido aguarda aval da Justiça para assumir a prefeitura e implantar seu estilo de gestão

Apesar da possibilidade de ainda haver uma “guerra” de liminares pelo comando da cidade, a Prefeitura de Nova Lima, na região metropolitana da capital, deverá ter um novo prefeito já a partir da semana que vem. Ontem, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas (TRE-MG) confirmou a publicação, até a próxima semana, da decisão que cassou o mandato do atual prefeito Cássio Magnani Júnior (PMDB) por abuso de poder político nas eleições de 2012. Isso permite que o segundo colocado na disputa, o deputado federal e ex-prefeito Vitor Penido (DEM), assuma o posto.

Com a sinalização da Justiça, Penido deu ontem os primeiros indicativos das mudanças que pretende implementar no município. Além de mais investimentos em educação, saúde e segurança, o ex-prefeito – que comandou a cidade pela última vez em 2004 – garante que irá reduzir o tamanho da máquina pública. Ele afirma que, nos últimos anos, os gestores de Nova Lima aumentaram consideravelmente o número de funcionários, de cargos comissionados e os gastos com aluguel de imóveis e automóveis. “Hoje são mais de 800 comissionados. Na minha época, eram pouco mais de 200. Com certeza, vamos cortar. A prefeitura não pode ser um cabide de emprego”, critica.

O deputado cita ainda o secretariado do município. “É um governo de continuidade. Vamos colocar gente de confiança nossa para resolver os graves problemas que existem em saúde e educação”, garante o parlamentar, que acredita na possibilidade de assumir o cargo ainda nesta semana.

Silêncio. Cassinho e a vice-prefeita, Maria de Fátima Monteiro (PT), foram cassados por unanimidade na última quinta-feira pelo pleno do TRE-MG. Conforme os autos do processo, o ex-prefeito de Nova Lima Carlos Roberto Rodrigues expediu decretos de permissão de uso de bens públicos em favor dos atuais gestores. Além disso, o político teria cedido terrenos do município para a Igreja do Evangelho Quadrangular do Bonfim, o que configurou o abuso de poder e a captação ilícita de votos.

Ontem, Cassinho foi procurado na prefeitura, mas ninguém retornou aos contados da reportagem. Segundo o TRE-MG, após a publicação da decisão, o peemedebista terá três dias para recorrer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave