Na indenização, 80 cm; na prática, um buraco de 30 metros

Como indenização pelo que seria a passagem de um cano, agricultor recebeu R$ 4.000

iG Minas Gerais |

Seu Odilon Machado, morador da Comunidade Mãe d'água em São Domingos do Prata teve nascentes de água da sua propriedade destruídas além dos inconvenientes causados pela obra que passa em sua propriedade. Foto: Mariela Guimarães
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Seu Odilon Machado, morador da Comunidade Mãe d'água em São Domingos do Prata teve nascentes de água da sua propriedade destruídas além dos inconvenientes causados pela obra que passa em sua propriedade. Foto: Mariela Guimarães

Dos 50 alqueires de terra que o agricultor Odilon Machado, de 74 anos, e os nove irmãos herdaram dos pais, em São Domingos do Prata, sobrou só o valor sentimental. Desgostosos com as mudanças provocadas pela obra do mineroduto Minas-Rio, eles tentam, há meses, vender a propriedade, mas não encontraram comprador.

“É terra que meu pai derramou muitas gotas de suor para comprar. Agora, quem vai querer comprar? Falaram que ia passar um cano de 80 centímetros aqui e, depois, tudo ia voltar ao normal, mas cortaram mais de 30 metros”, conta. Como indenização pelo que seria a passagem de um cano, ele recebeu R$ 4.000.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave