Feliciano é suspeito de crime contra religião e passará por inquérito

Como o ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o deputado só pode ser investigado em inquérito comandado pela Procuradoria Geral da República e autorizado pelo Supremo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

undefined

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) irá passar por inquérito sobre denúncia de ter cometido crime de preconceito de religião ao falar que profetizava "o sepultamento dos pais de santo"  e o "fechamento de terreiros de macumba". A denúncia surgiu após um vídeo seu ser publicado na internet.

Na sexta-feira (21), o ministro Gilmar Mendes determinou que Feliciano seja ouvido pela Polícia Federal (PF) em até 30 dias. Como o ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o deputado só pode ser investigado em inquérito comandado pela Procuradoria Geral da República e autorizado pelo Supremo.

A abertura do inquérito foi requerida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que assistiu o vídeo do deputado, postado no YouTube, presidindo uma oração. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave