Falhas coletivas e individuais

iG Minas Gerais |

O América foi presa muito fácil para o Atlético e o que era para ser um grande jogo frustrou a expectativa geral com a goleada alvinegra em ritmo de treino de luxo no Independência. A estratégia pensada pelo técnico Moacir Júnior ruiu logo no primeiro minuto com o gol do Otamendi, que se aproveitou da fragilidade da defesa americana principalmente nas bolas pelo alto. O segundo gol não demorou, em outro vacilo da zaga que não cortou o cruzamento do Neto Berola que encontrou Jô para marcar de cabeça de cabeça. O América não esboçou reação, o goleiro Mateus continuou fazendo ótimas defesas e o terceiro gol saiu através de pênalti sofrido por Berola e muito bem batido pelo Guilherme que teve ótima atuação no lugar do Ronaldinho Gaúcho. Logo aos dois minutos do segundo tempo novo cruzamento pelo alto na área americana, de Dátolo para o baixinho Berola que fez 4 a 0. O risco de uma goleada desmoralizante era grande, o que levou o técnico Moacir Júnior a se precaver: tirou o centroavante Obina e pôs o zagueiro Lucena para evitar um mal maior. O Atlético diminuiu o ritmo, o jogo ficou morno e aos 40 minutos Tchô fez o gol de honra do Coelho, o sexto dele em seis jogos. Favas contadas Tudo é possível no futebol, mas será muito difícil o América inverter a situação e chegar à finalíssima. Terá de se jogar todo ao ataque e o risco de tomar gols é grande. A diferença técnica entre os dois times é gritante. Cruzeiro e Boa entravam em campo quando terminei de escrever essa coluna, mas também é impensável ver a Raposa eliminada. Injustiça Terminado o jogo contra o Defensor o técnico Marcelo Oliveira foi alvo de muitas injustiças. O menor dos culpados pelo empate com o bom time uruguaio no Mineirão. Falhas do sistema defensivo e individuais, principalmente do Fábio, Dedé e Rodrigo Souza determinaram o mau resultado. Tudo corria bem até os vacilos de marcação. Desatinos Dizer que Marcelo Oliveira não tem experiência em “mata-matas”, ou que deveria ter recuado o time para garantir o placar é desconhecer a realidade e o passado recente do próprio treinador. Essa fase da Libertadores não é no sistema “mata-mata”; já que se classificam os dois primeiros. Possível A situação do Cruzeiro na Libertadores ficou ruim, mas não inviável em termos de classificação. A história do clube registra sucessos em feitos bem mais difíceis que vencer os próximos adversários na competição. A vitória sobre o Grêmio, por exemplo, na arrancada para o bi da própria Libertadores em 1997, em jogo em Porto Alegre.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave