Com gol no fim, Cruzeiro vence o Boa e leva vantagem para o Mineirão

Resultado de 1 a 0 deixa Raposa muito próximo da final; se perder o jogo de volta por até um gol de diferença, o atual campeão brasileiro se garante na decisão

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

MG - CAMPEONATO MINEIRO/BOA ESPORTE X CRUZEIRO - ESPORTES - Éverton Ribeiro (D), do Cruzeiro, durante partida contra o Boa Esporte,  válida pelo   Campeonato Mineiro, no estádio Melão, em Varginha (MG).    23/03/2014 - Foto: IGOR COELHO/AGÊNCIA I7/ESTADÃO CONTEÚDO
ESTADÃO CONTEÚDO
MG - CAMPEONATO MINEIRO/BOA ESPORTE X CRUZEIRO - ESPORTES - Éverton Ribeiro (D), do Cruzeiro, durante partida contra o Boa Esporte, válida pelo Campeonato Mineiro, no estádio Melão, em Varginha (MG). 23/03/2014 - Foto: IGOR COELHO/AGÊNCIA I7/ESTADÃO CONTEÚDO

Depois do resultado da última quinta-feira, pela Copa Libertadores, quando cedeu o empate para o Defensor-URU no último lance do jogo, o Cruzeiro tinha, neste domingo, a missão de conseguir um bom resultado contra o Boa Esporte, pela semifinal do Campeonato Mineiro.

O objetivo era vencer e jogar bem, afim de ganhar confiança não somente para o jogo de volta do Estadual, no próximo domingo, como para o jogo do dia 3 de abril, contra a Universidad de Chile-CHI, em Santiago. Querendo ou não, o pensamento cruzeirense está neste duelo internacional, que pode definir seu futuro na principal competição do ano.

Na partida realizada no estádio do Melão, em Varginha, a equipe de Belo Horizonte foi superior durante todo o jogo, e conseguiu transformar a supremacia em gol somente no apagar das luzes. O resultado de 1 a 0 deixa o Cruzeiro muito próximo da final. Se perder o jogo de volta, no próximo domingo, no Mineirão, por até um gol de diferença, o atual campeão brasileiro se garante na decisão.

O jogo

Com as ausências de Dagoberto, contundido, e Ceará, poupado, coube a Willian e Mayke, respectivamente, substituí-los e tentar dar um bom padrão de jogo ao time do técnico Marcelo Oliveira. Júlio Baptista, que foi bem no meio de semana, foi mantido como centroavante. Outra novidade foi a presença de Samudio no lugar do contestado Egídio.

Sabendo que era preciso se destacar para convencer o treinador de seu merecimento entre os titulares, o atacante Willian foi o responsável pelos lances de maior perigo do Cruzeiro. Aos 2min e aos 17min do primeiro tempo, ele acertou a trave de Leandro, levantando a torcida azul que compareceu em bom número.

Com mais posse de bola, em busca do melhor momento para definir as jogadas, o time da capital não tinha dificuldades para controlar a partida.

O Boa insistia na forte marcação, mas não conseguia trocar passes e segurar a bola, permitindo o avanço celeste. A defesa do time casa não mostrava segurança, principalmente no jogo aéreo, e deixava dúvidas se conseguiria suportar um jogo inteiro de pressão adversária. A vontade do Boa sobressaía sobre a técnica, com os jogadores não tendo nenhuma vergonha de jogar a bola para bem longe, quando necessário.

Foi somente a partir dos 30min que o time do interior começou a ter algum sucesso para colocar a bola no chão e tentar ganhar campo de jogo. Mesmo assim, a meta de Fábio não chegou a sofrer grande ameaça.

Everton Ribeiro, ainda longe de repetir o futebol de 2013, também ameaçou o gol oponente, aos 37min, após boa jogada individual, que passou rente ao poste.

Minutos depois foi a vez do Cruzeiro ter seu melhor momento na etapa inicial. Em cabeçada de Willian, de dentro da pequena área, Leandro conseguiu fazer bela intervenção e manter o placar em branco no primeiro tempo.

Para o segundo tempo, o Cruzeiro tentou ser agressivo, sabendo que corria contra o tempo. Willian, novamente de fora da área, voltou a assustar a meta do Boa, logo aos 9min. Mas o ritmo celeste caiu nos 45 minutos finais.

Vendo as dificuldades que seu time tinha na criação, o técnico Marcelo Oliveira fez uma dupla mudança, tirando Lucas Silva, amarelado e Ricardo Goulart, que rendeu pouco. Henrique e Alisson foram os escolhidos para dar mais movimentação ao time.

Pouco antes das mudanças, o Boa assustou, em passe que cruzou toda a área, agitando a torcida.

O restante da etapa trouxe mais bons momentos de emoção para a torcida, com bola de Marcelo Moreno tocando o travessão, em chute que encobriu o goleiro Leandro. O grito de gol veio logo depois, aos 41min, com Júlio Baptista. Após cruzamento de Everton Ribeiro, 'la Bestia', aproveitou bem para concluir e tirar o zero do placar.

O jogo de volta promete mais emoção. O Boa, buscando uma inédita final, terá que se soltar se quiser avançar no Estadual. Ao Cruzeiro restará fazer um bom papel diante da torcida antes de momento decisivo na temporada.

Leia tudo sobre: futebol nacionalcampeonato mineirocruzeiroraposaboa