Defesa alega mal-entendido em soltura de empresário

Mateus Roberte Carias deixou unidade mesmo com mandado de prisão em aberto; ele se apresentará

iG Minas Gerais |

Agentes da Polícia Federal de MG e ES tentavam recapturá-lo
Reprodução / Facebook
Agentes da Polícia Federal de MG e ES tentavam recapturá-lo

Advogados do empresário Mateus Roberte Carias, um dos mais procurados pela Polícia Federal (PF), informaram que ele não está foragido e que irá se apresentar à corporação na próxima terça-feira. Segundo os defensores, não houve facilitação ou fuga na saída de Carias do Centro de Detenção Provisória de Viana II, em Viana, na região metropolitana de Vitória (ES), mas, sim, um erro da Justiça que não informou às autoridades capixabas sobre mais um mandado de prisão em aberto.

O empresário foi solto em 10 de dezembro de 2013, mesmo tendo contra si uma ordem de prisão da Justiça de Janaúba, no Norte de Minas, conforme mostrou na edição de ontem. Ele é acusado de liderar uma quadrilha que vendia precatórios falsos a dezenas de municípios do Norte de Minas e de outros Estados. O TEMPO

Conforme a Advocacia Ferrari, tudo não passou de um mal-entendido. “Nem o Mateus nem os defensores dele sabiam que ainda havia um mandado de prisão em aberto. O presídio verificou o sistema e não constava nenhum impedimento para a soltura. Por isso, ele foi posto em liberdade”, disse o advogado Marco Polo Ferrari.

Segundo ele, o novo mandado de prisão só foi descoberto em fevereiro deste ano, quando a Justiça de Janaúba pediu a transferência da mulher de Mateus, que também está presa no Espírito Santo, para Minas. “O que houve foi um erro da comarca de Janaúba, que não comunicou o mandado de prisão nacionalmente”.

A Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) do Espírito Santo informou, em nota, que Carias foi solto porque não havia restrição contra ele no Banco Nacional de Mandados de Prisão. Na época, ele havia conseguido um habeas corpus que derrubou um outro mandado de prisão da Justiça de Pirapora, também no Norte de Minas, sob a condição de que permanecesse em residência fixa e se apresentasse à Justiça. Segundo o advogado, o empresário mora em Guarapari (ES). (LC)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave