Relação via USB já está à venda

O brasileiro está exigente: não basta apenas vibrar, esquentar ou esfriar, tem que “causar”

iG Minas Gerais | Litza Mattos |

Novidades. Para Paula Aguiar, presidente da Abeme, o consumidor brasileiro está cada vez mais exigente: não basta apenas vibrar
Divulgacao / Abeme
Novidades. Para Paula Aguiar, presidente da Abeme, o consumidor brasileiro está cada vez mais exigente: não basta apenas vibrar

Um vibrador controlado por smartphone e que vibra conforme a música ambiente. A novidade não é um projeto ou pesquisa futurista, mas um produto lançado neste ano, na maior feira de produtos eróticos do mundo, realizada na Alemanha. Esse e tantos outros eletrônicos que proporcionam interações sexuais entre humanos e máquinas já são realidade no mercado.

“Os sex toys (brinquedos eróticos) existem há décadas e é natural que eles também evoluíssem tecnologicamente. O futuro já chegou. O que vai acontecer é que os acessórios ligados à sexualidade vão se modernizar, da mesma maneira que um computador”, afirma Paula Aguiar, presidente da Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme).

Em 2013, foi lançada a Roxxy, a primeira robô de sexo do mundo. Considerada a substituta cibernética da “boneca inflável”, ela pesa 27 kg, mede 1,70 m, vem com membros que se movem e possui uma variedade de cores de cabelo e pele.

Outra realidade já possível é o “Realtouch” – o primeiro dispositivo de sexo virtual do mundo para os homens. A proposta do brinquedo sexual ligado por USB é permitir o sexo interativo entre pessoas distantes, por meio da internet. O aparelho é formado por duas partes, uma modelada nas partes íntimas da mulher e a outra, nas do homem. Com o auxílio de uma câmera, o dispositivo reconhece e captura sensações, que em seguida são transmitidas digitalmente, como se o casal estivesse no mesmo ambiente.

“Vejo um futuro em que vamos gostar das pessoas independentemente do que elas são: robôs ou humanos. De repente, isso vai acontecer e já vamos estar sentindo um amor pelos robôs, a ponto de querer vivenciar uma experiência sexual”, projeta a presidente da Abeme.

Segundo Paula, antigamente, os produtos apenas provocavam sensações como esfriar e esquentar. Atualmente, a gama de funções se tornou muito maior.

“Hoje existem produtos que pulsam, pinicam, lubrificam, ou seja, funcionam conforme a necessidade daquela relação sexual no momento. O consumidor brasileiro está cada vez mais exigente. Outro produto lançado na feira da Alemanha, e que já está disponível, é um vibrador para casais com 30 funções diferentes de uso. “Não basta só vibrar, tem que ter 30 formas diferentes de explorar a sexualidade”, afirma Paula.

Opinião. Uma pesquisa recente realizada pelo site norte-americano Huffington Post com mil adultos nos Estados Unidos mostrou que 18% dos pesquisados acreditavam que os robôs sexuais estarão disponíveis em 2030.

No entanto, apenas 9% disseram que aceitariam fazer sexo com um robô, enquanto 81% disseram que não, e 11% não conseguia decidir.

Já quando perguntados se a relação entre um humano e uma máquina seria considerada infidelidade, 42% disseram que sim, 31% responderam não, e 26% dos americanos não tinham certeza.

Previsão futurista

Filme aborda como será o sexo no futuro:

“Her”: Ambientado na cidade de Los Angeles futurista, o filme é um profundo estudo sobre as relações humanas, as transformações que sofremos pelo meio tecnológico e sobre o vazio que eventualmente pode vir nos abraçar por um tempo. Na trama, o protagonista Theodore, vivido por Joaquin Phoenix, tem um momento íntimo com Samantha, interpretada por Scarlett Johansson, que não é uma mulher qualquer, de carne e osso, mas um sistema operacional de computador.

Ficha técnica:  Direção: Spike Jonze

Gênero: Comédia

Duração:126 minutos

Idade indicativa: 14 anos

Géis, cremes e pomadas ainda lideram procura 

Géis, cremes e pomadas estão entre os produtos eróticos mais vendidos em 2012 segundo levantamento feito pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme).

De acordo com a associação, a cosmética sensual está entre os quatro itens mais vendidos. Géis e cremes para o sexo oral aparecem em primeiro lugar, com 21% da preferência dos consumidores. O segundo lugar é ocupado pelos géis funcionais (vibrador líquido, excitantes, retardantes) com (18%), seguido por pomadas e loções para sexo anal que aparecem empatados com as cápsulas de banho.

Uma das estreias entre os tops de venda e que aparece na quarta posição é o anel peniano com vibrador. “Um produto pequeno, simples de usar, e que está fazendo muito sucesso entre os casais. Este produto, aliás, só funciona a dois. Para o homem prolonga a ereção, para a mulher estimula o clitóris sem deixar de ser um vibrador”, disse o levantamento da Abeme.

2013. Os dados dos produtos que fizeram mais sucesso em 2013 serão divulgados pela Abeme no primeiro dia da Erótika Fair, informou a assessoria. (LM)

Programação

Feira.São esperados mais de 50 mil visitantes naErótika Fair, evento que será realizado do dia 27 a 30 de março, das 14h às 22h, em São Paulo. Mais informações pelo site: www.erotikafair.com.br.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave