Fechamento de estação do Move causa confusão entre passageiros

Os ônibus articulados foram transferidos para o antigo terminal e tiveram um dia de experiência aos moldes do transporte convencional

iG Minas Gerais | Luciene Câmara |

CIDADES BH MG: ALTERACAO MOVE NA ESTACAO SAO GABRIEL PARA OBRAS NA COBERTURA.

FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 22.03.2014
DENILTON DIAS / O TEMPO
CIDADES BH MG: ALTERACAO MOVE NA ESTACAO SAO GABRIEL PARA OBRAS NA COBERTURA. FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 22.03.2014

Das três principais características do Move (nome dado ao BRT da capital) – embarque sem degraus, pagamento antecipado da passagem e uso de pistas exclusivas –, as duas primeiras não funcionaram neste sábado (22). Por conta do fechamento da nova Estação São Gabriel para obras, os ônibus articulados foram transferidos para o antigo terminal e tiveram um dia de experiência aos moldes do transporte convencional. A situação considerada “excepcional” pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) vai se repetir no domingo, e só segunda o serviço volta a assumir o seu padrão original.

A mudança trouxe filas no embarque e atraso de 5 a 6 minutos na saída de ônibus do terminal São Gabriel, entre as 7h e 8h. “Como não temos aqui a plataforma em nível, o embarque passou por processo diferente, com degraus e o pagamento dentro do ônibus. Por mais que a gente oriente as pessoas, chega muita gente com dinheiro trocado, outros sem dinheiro trocado, tudo isso leva tempo de parada. Mas no geral, para um dia único como hoje, duas viagens atrasadas é um número aceitável”, avaliou o gerente de gestão do Move, Artur José Dias de Abreu.

Espera. Sem o atraso, o intervalo entre um ônibus e outro girou em torno de 15 minutos, o mesmo tempo usado em outros sábados. No horário de pico da manhã, a linha 83P (São Gabriel/Centro paradora) saiu lotada, já que a linha 83D (que faz o mesmo trajeto, mas sem parar nas estações) não rodou ontem por conta da mudança. “Optamos por tirar a 83D porque os ônibus dessa linha não têm porta do lado direito e porque achamos melhor, dentro do planejamento e da demanda do sábado, trabalhar assim”, argumentou o gerente.

A diferença para os passageiros, segundo Abreu, é que pegando a linha 83P eles gastaram 7 minutos a mais no trajeto, comparando com a 83D, que faz a viagem em cerca de 18 minutos. “Para mim, que programei meu horário de acordo com a linha 83D, faz diferença. Vou chegar atrasada no trabalho”, afirmou a esteticista Rosângela Maria Sobrinho Evangelista, 43.

Ao todo, 19 ônibus do Move circularam no sábado, segundo a BHTrans – o mesmo número dos dias úteis. Com a suspensão da 83D, a linha paradora ganhou 15 viagens a mais – de 65 para 80 por dia. Já na linha 82, que segue para a região hospitalar e Savassi e é mais vazia, foram mantidas as 67 viagens já habituais.

Informação. A principal reclamação dos usuários era a falta de informação, embora a BHTrans tenha fixado avisos por toda parte e acionado 330 monitores do Posso Ajudar por turno.

O fechamento da nova Estação São Gabriel, na manhã de sábado, abriu caminho para uma força-tarefa entre operários para a finalização do telhado das plataformas. Porém, a chuva atrapalhou o planejamento e chegou a atrasar em cerca de três horas o andamento das obras, segundo os próprios trabalhadores que estavam no local.

“Estamos desde a madrugada trabalhando em ritmo total. Mas não contávamos com a chuva pela manhã”, disse um dos operários. O gerente de gestão do Move, Artur José Dias de Abreu, afirmou, no entanto, que tudo está sob controle. “A informação da construtora é de que não haverá atraso”, ressaltou. Alagamento. A chuva alagou parcialmente pistas no entorno da Estação São Gabriel, onde, além do transporte coletivo, funcionará a nova rodoviária de Belo Horizonte.

Obras. Abreu disse que a BHTrans optou por fechar a nova Estação São Gabriel e transferir o Move para o antigo terminal para garantir a segurança dos usuários. “Não podemos correr o risco de uma peça cair em alguém”, completou. Questionado sobre porque a autarquia resolveu inaugurar o Move no último dia 8 sem que as obras ainda estivessem completas, Abreu alegou que a intenção foi antecipar as melhorias aos usuários. “Optamos por beneficiar 30 mil de usuários com as qualidades que o Move já oferece, mesmo que nem tudo esteja pronto”, concluiu o gerente.

Frota. Dos 428 ônibus que vão circular no Move quando o sistema estiver em pleno funcionamento, apenas 40 (9,5% do total) estão prontos para rodar no momento, segundo o gerente de gestão do sistema na BHTRans, Artur José Dias de Abreu. Ele disse que o número é suficiente para atender a necessidade atual.

Tarifa. Com a mudança de terminal no sábado, os usuários também ficaram confusos sobre o valor a pagar nos ônibus. Ao pegar a linha alimentadora, o usuário que quiser pegar o Move tem a opção de pagar, além de R$ 1,90, mais R$ 0,75 para adquirir o cartão do BRT

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave