Intérprete de textos e canções

Ator consagrado, o cearense Gero Camilo canta samba, rock e forró em seu segundo disco, intitulado “Megatamainho”

iG Minas Gerais |

Continuidade. Álbum dá sequência ao trabalho iniciado no CD “Canções de Invento”, de 2008
Diego Chilio/Divulgação
Continuidade. Álbum dá sequência ao trabalho iniciado no CD “Canções de Invento”, de 2008

Com carreira sólida no cinema, no teatro e na televisão, tanto como ator quanto como dramaturgo, Gero Camilo prefere ser chamado simplesmente de artista, nome em que cabem suas diferentes atividades. Entende-se, por aí, que o cearense de 43 anos – há 20 em São Paulo – não quer limitar vocações. são paulo.

Após surpreender muita gente ao estrear como cantor e compositor em 2008, com o CD “Canções de Invento”, Camilo lança agora seu segundo disco, “Megatamainho”. “Defendo meu cantor e meu ator. Mais que defender, respeito os momentos. Tem horas em que eles é que não me respeitam e tenho que dar conta de tudo”, ri o artista, que de modo algum pretende deixar o teatro.

Para montar o repertório do novo disco, Camilo selecionou principalmente canções de sua autoria ou em parceria com amigos que representam diferentes faces da música popular brasileira, como é o caso de Otto, Luiz Caldas, Vanessa da Mata e Rubi. Considerando todo o álbum, apenas duas faixas não levam sua assinatura: a roqueira “Amor em Ode ao Sol”, composta por Cristiano Karnas e Luís Miranda, e o forró romântico “Chuchuzeiro”, de Criolo. Se esta última fala de amor com leveza, outras já são mais carregadas de questões e reflexões políticas.

A faixa-título, por exemplo, surgiu a partir de uma conversa com o ator Caco Ciocler sobre os conflitos entre judeus e palestinos. “A gente põe fronteira em tudo, mas, olhando de cima, nada disso existe – de baixo também –, a não ser quando a gente impõe. A letra relativiza fronteiras”, diz o artista.

No disco, gravado entre o Recife e São Paulo, ele reflete sua diversidade também na escolha dos ritmos. As faixas passam por rock, forró, samba, reggae, baladas. “Não existe o menor esforço em ir em busca do gênero. Isso nasce naturalmente da minha relação com meu gosto, de receber as coisas sem preconceito”, avalia. Conciliando as atividades no teatro, Camilo pretende fazer em breve uma turnê nacional com “Megatamainho”, ainda sem data para início.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave