Minas entrega outro 'Valtinho' para TJD; diretor da URT se defende

Advogado do time de Sete Lagoas disse que interlocutor do treinador da URT seria um ex-técnico da Patrocinense. URT se mostra tranquila no caso

iG Minas Gerais | FREDERICO RIBEIRO |

Duas partes da 'Notícia de Infração' feita pelo Minas Boca citando 'Valtinho' e supervisor da URT
Reprodução
Duas partes da 'Notícia de Infração' feita pelo Minas Boca citando 'Valtinho' e supervisor da URT

O Minas Boca pode ter cometido um erro na denuncia contra uma pessoa ligada à URT, que ofereceu 10 mil reais para o zagueiro Reginaldo cometer um pênalti no jogo entre os dois clubes, valendo a permanência no Módulo I do Mineiro. O advogador do clube de Sete Lagoas disse haver a suspeita, agora, de que 'Valtinho', identificado na conversa telefônica com o defensor, seria Walter Lima, ex-técnico da Patrocinense, e não mais Walter José de Souza, supervisor da União Recreativa dos Trabalhadores.

“Estou a caminho do TJD neste momento (aproximadamente às 14h30 desta quinta-feira) para entregar uma informação de que o Valtinho das gravações pode ser um cidadão de nome Walter Lima. Pela informação que coletamos, Walter Lima seria ou ainda é técnico da Patrocinense", disse o advogador Douglas Luis Ferreira, um dos representantes do Minas na denúncia.

Na URT, o clima é de confiança e inconformismo. Primeiro pelo presidente Roberto Miranda afirmar ter certeza de que nenhum membro da diretoria faria uma tentativa de suborno. Segundo pelo próprio Walter José de Souza, nominalmente citado pela 'Notícia de Infração' na qual a reportagem do Super FC teve acesso.

Walter, que ocupa o cargo de supervisor da URT, disse que foi difamado pelo presidente do Minas Boca, Edson Paredão, em entrevista à uma rádio de Patos de Minas e que irá procurar auxílio na Justiça. O cartola também se defendeu, afirmando que a voz na gravação telefônica não bate com a dele.

“O nosso advogado já está sabendo. Eles têm a gravação dos telefonemas? Ótimo. É só pegar a minha voz e comparar. Estou com a consciência tranquila e cabe a eles provarem que sou eu na ligação. Estou há 20 anos na URT e nunca tive uma conversa desse teor com jogador. Fiquei conhecendo o Reginaldo no dia do jogo. O nosso advogado em Belo Horizonte (Dr. Lucas Ottoni) vai cuidar do caso", afirmou Walter, ao Super FC.

Edson Paredão, porém, mostrou a sua visão da entrevista na qual xinga o 'Valtinho' que ofereceu dinheiro para Reginaldo. Edson fala que foi conduzido ao erro pelo seu ex-atleta, pois logo atrelou 'Valtinho' como sendo o supervisor da URT. Mas disse que não chegou a citar o cargo do suposto infrator.

"Eu, em momento nenhum, citei o nome do supervisor da URT. O Reginaldo me disse que o 'Valtinho' era um conhecido dele da carreira, do futebol. Fui induzido ao erro, porque como poderia saber que existia um outro Walter, conhecido com Waltinho, como supervisor da URT? Mas não me interessa se o 'Valtinho' é o 'Walter A','Walter B' ou 'Walter C'. O que me interessa é que esse cara ligou falando em nome do Luiz Eduardo, treinador e que, claramente, tinha conhecimento do modus operandi, do trânsito interno no clube", disse o mandatário do Minas Boca.

O problema que gerou a denuncia inicial de 'Walter José de Souza' no processo encaminhado ao Tribunal é que ambos são conhecidos pelo diminutivo do nome. Walter Lima foi treinador da Patrocinense no começo de 2013. A reportagem tentou entrar em contato com o telefone denunciado na 'Notícia de Infração' do Minas Boca. Um homem atende às ligações, mas acaba desligando o telefonema.

Leia tudo sobre: minas bocaurtsubornocampeonato mineiro