Falta de chuva pode fazer preço do leite subir em MG

Queda da produção em algumas regiões vai de 10% a 30%

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

Repasse. Com menos produto no mercado, consumidor já deve pagar mais nos próximos meses
cassiano ferraz/estadão conteúdo- 10.5.2013
Repasse. Com menos produto no mercado, consumidor já deve pagar mais nos próximos meses

O consumidor pode preparar o bolso, pois deve pagar mais caro pelo leite e derivados nos próximos meses. O superintendente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Pierre Vilela, estima que o preço pago ao produtor em meados do segundo semestre pode chegar a R$ 1,50 o litro. “Diante do cenário que temos hoje é bem factível. E pode até mesmo no auge alcançar R$ 2 neste ano”, diz.

No ano passado, o litro do produto pago ao produtor chegou próximo a R$ 1,20. “No começo de 2013, o preço era de R$ 0,90. Este ano, até o momento, está em R$ 1”, observa ele.

Vilela explica que, sem chuvas, com o pasto seco, os custos de produção ficaram mais caros para o produtor e, logo, os repasses são inevitáveis para o consumidor final. “Como a chuva até agora não veio, isto pressiona não só o preço do leite, bem como das carnes, dos alimentos em geral, ou seja, vai impactar na inflação. Gasolina, a presidente pode segurar o preço, mas alimentação não tem jeito”, analisa.

O coordenador técnico Estadual de Bovinocultura da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Feliciano Nogueira de Oliveira, afirma que é possível aumento do preço do leite para o produtor ainda este mês. “A sinalização é de elevação nos preços. Afinal, temos informações de queda na produção em algumas regiões de 10% a 30%”, diz. Ele observa que, com menos produto no mercado, a tendência é de alta nos preços, que acaba sendo repassada e chega até o consumidor final. “É o efeito cascata”, frisa.

Ja o coordenador técnico de bovinos da Emater-MG, José Alberto de Ávila Pires, ressalta que já tem produtor antecipando o confinamento do gado, o que faz com que os custos de produção aumentem na comparação com o gado no pasto. A saca de 60 quilos de milho está em R$ 30, enquanto que no mesmo período de 2013, oscilava de R$ 23 a R$ 25. “A alimentação do gado responde por 85% dos gastos”, diz o coordenador.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave