João Schmidt revela inspiração em Pirlo no São Paulo

Volante conta com admiração dos companheiros, da comissão técnica e até mesmo do presidente Juvenal Juvêncio

iG Minas Gerais | agência estado |

João Schmidt se inspira no italiano Pirlo para fazer história com a camisa do São Paulo
SITE OFICIAL/REPRODUÇÃO
João Schmidt se inspira no italiano Pirlo para fazer história com a camisa do São Paulo

João Schmidt é um caso curioso no São Paulo. Volante habilidoso e comparado a Hernanes pela categoria no trato com a bola, é elogiado por todos ao seu redor, mas pena para conquistar espaço e ser utilizado com mais frequência. Contra o Botafogo de Ribeirão Preto neste domingo, pela última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista, ele tem mais uma oportunidade de mostrar que merece ser observado com cuidado e que pode pleitear sonhos mais altos.

Ao menos na hora de escolher seus ídolos, o garoto de 20 anos mostra estar no caminho certo. É no italiano Andrea Pirlo que João Schmidt se espelha e espera absorver as principais qualidades.

"Sempre gostei muito do Pirlo, foi um dos melhores volantes que vi jogar. Tenho que melhorar mesmo, hoje volante moderno chega na área e preciso fazer mais isso. Não só para mim, mas para todos que gostam de futebol ele é uma referência", disse o jogador.

O volante conta com admiração dos companheiros, da comissão técnica e até mesmo do presidente Juvenal Juvêncio, que já chegou a chamá-lo de "Colosso" tamanha a empolgação com seu talento. Ainda assim, ele ainda não decolou e atualmente é a quinta opção de Muricy Ramalho, atrás de Souza, Maicon, Wellington e Denilson. Paciente, diz que vai esperar sua oportunidade e se mostra receptivo às instruções de Muricy.

"É opção dos treinadores, o grupo tem muitos jogadores na minha posição. Acho que vai chegar minha hora, de repente falta alguma coisa mesmo, talvez mais dinâmica, mais ritmo de jogo", ponderou.

Contra o Fluminense, no Campeonato Brasileiro do ano passado, nem seu belo toque de letra para Welliton abrir o placar (o São Paulo acabou derrotado por 2 a 1) o livrou das críticas de Muricy, que pediu para que ele fosse mais presente no ataque.

"Ele sempre fala que tenho um defeito que é tocar e buscar o jogo armando; ele quer que eu chegue mais à frente e ainda me dá umas duras. Sei que é para meu bem, preciso aproveitar isso", disse.

Leia tudo sobre: FUTEBOL NACIONALsão paulotricolorjoão schmidtpirlo