Líder por natureza, Dedé indica caminho para superar o Defensor

Zagueiro celeste ainda reforça a necessidade de se respeitar a qualidade de todos os jogadores do time uruguaio, sem priorizar a marcação em apenas um ou outro rival

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE e GABRIELA PEDROSO |

Dedé não vê problemas para atuar diante da Portuguesa, no próximo sábado, em São Paulo
Washington Alves / VIPCOMM
Dedé não vê problemas para atuar diante da Portuguesa, no próximo sábado, em São Paulo

A função de capitão do time do Cruzeiro pertence ao goleiro Fábio. No entanto, o espírito de liderança do zagueiro Dedé é algo que chama a atenção no grupo celeste. Ajudar o companheiro, dando orientações como, por exemplo, sobre o melhor posicionamento na partida, é uma das formas que o defensor mostra essa característica em campo. E contra o Defensor (URU), nesta quinta-feira, às 22h, no Mineirão não será diferente. "[Essa liderança em campo] é de mim, sempre joguei assim. Aprendi muito com o Ricardo Gomes analisar o meu posicionamento e o dos meus companheiros. É o meu jeito explosivo dentro de campo, sou muito acelerado, às vezes, falo coisas que não se deve falar, mas eles [companheiros] entendem que são coisas do nervosismo do jogo. Estou sempre tentando ajudar de qualquer forma", explicou o jogador. E é com base nessa visão de jogo, que Dedé indica ao grupo o caminho para superar o adversário uruguaio e garantir os três preciosos pontos no grupo 5 da Copa Libertadores. A dica, aliás, é bem simples: manter o estilo de jogo da equipe. "[É adotar] A forma que a gente sempre jogou, usando o fator casa, marcando em cima, não perdendo a bola fácil, não dando espaço, sabendo recompor na hora certa e usando o conhecimento que temos do nosso campo", completou Dedé. Além disso, o defensor reforça a necessidade de se respeitar a qualidade de todos os jogadores do time uruguaio, sem priorizar a marcação em apenas um ou outro atleta. "A atenção tem que ter com todo mundo, todo elenco [do Defensor]. Principalmente com o nosso elenco, atenção na posição, orientando o jogador, não precisa ser somente o Gedoz e o Arrascaeta. Nossa atenção tem que ser nessa função de orientar o posicionamento, e quando estiver com a bola estar concentrado para fazer o gol". Com três pontos ganhos e em terceiro lugar na chave, o Cruzeiro precisa da vitória em casa para seguir na briga por uma vaga na próxima fase da competição continental.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposadedeliderançajogodefensoruruguaiLibertadores