Belo-horizontino está mais inadimplente, segundo a CDL/BH

Endividamento cresceu 2,63% em fevereiro deste ano, em relação ao mesmo período de 2013; inflação e juros altos foram os principais responsáveis

iG Minas Gerais | Da Redação |

O nível de endividamento do consumidor da capital mineira cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em fevereiro, o número de registros junto ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), cresceu 2,63% na comparação com o mesmo período de 2013. No mês de janeiro, a inadimplência teve aumento de 5,94%, nesta mesma base de comparação.

A economista da CDL/BH, Ana Paula Bastos, atribuiu o resultado ao poder corrosivo do aumento do nível de preços sobre a renda dos trabalhadores e as elevações da taxa de juros. “Juntos, esses fatores contribuíram para a desorganização financeira dos consumidores, que acabaram tornando-se inadimplentes”, explicou. No acumulado deste ano, o índice de inadimplência teve alta de 4,25%.

Na comparação com o mês imediatamente anterior (Fev.14/Jan.14), foi verificado um aumento de 1,43% na inadimplência. “O início do ano é marcado por uma série de despesas em função do pagamento de impostos, matrículas e material escolar, e por isso muitos consumidores não conseguiram honrar seus compromissos financeiros”, explicou Ana Paula.

No mês de fevereiro, o sexo masculino foi o responsável pela maioria (54,03%) das inclusões no SPC da CDL/BH. Já o sexo feminino correspondeu a 45,97% dos registros. Por faixa etária, os consumidores com idade de 30 a 39 anos foram os mais inadimplentes (24,84%). Em seguida estão: consumidores de 50 a 64 anos (22,19%); de 40 a 49 (21,24%); acima de 65 anos (15,54%); de 25 a 29 anos (8,39%) e de 18 a 24 anos (7,79%).

Cancelamentos

O volume de cancelamento de registros, que ocorre quando as pessoas regularizam seus débitos junto ao SPC da CDL/BH, teve queda de 3,83% em fevereiro na comparação com o mês imediatamente anterior. Para a economista da CDL/BH, no mês de fevereiro, além das usuais obrigações de início do ano, muitos consumidores estavam se preparando para o Carnaval, e então decidiram adiar o pagamento de débitos anteriores. 

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Fev.14/Fev.13), o número de cancelamentos de registros teve queda de 1,75%. E no acumulado do ano o índice caiu 1,94%. “Novamente, notamos o reflexo negativo do aumento da taxa de juros no orçamento familiar que combinado à falta de planejamento gerou mais dificuldades para o consumidor quitar suas dívidas”, finalizou. 

No mês de fevereiro, a maior parte dos consumidores ficou inadimplente por até 13 dias (21,32%). No quesito sexo, o número de cancelamentos ficou assim dividido: 50,44% do feminino e 49,56% do masculino. Por faixa etária a maioria dos cancelamentos (25,01%) foi realizada por consumidores com idade entre 30 e 39 anos, e a minoria (8,76%) entre 18 e 24 anos.

Perfil da inadimplência

Em fevereiro deste ano, o maior número de inadimplentes registrou-se nas faixas até R$ 250 (84,75%). Neste mês, a grande concentração de inadimplentes em faixas de menor valor também se deve ao grande volume de gastos com os compromissos financeiros do início do ano. “Essas despesas tornam-se prioridade no orçamento familiar fazendo com que as demais dívidas, como parcelas de compras anteriores, sejam colocadas em um segundo plano”, explicou a economista da CDL/BH.

Leia tudo sobre: inadimplênciadívidasendividamentoinflaçãoCDL/BH