Começa 2º dia de julgamento de ex-PMs acusados de matar tio e sobrinho

Nessa terça, três testemunhas foram ouvidas; não há previsão para divulgação da sentença

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Réus ainda não foram ouvidos
Alex de Jesus / O Tempo
Réus ainda não foram ouvidos

Começou às 9h desta quarta-feira (19), o 2º dia de julgamento dos ex-militares acusados pelo duplo homicídio no Aglomerado da Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os jovens respondem pelos assassinatos de tio e sobrinho, que aconteceram em fevereiro de 2011.

A defesa de Jonas David Rosa, de 27 anos, e Jason Ferreira Paschoalino, de 28, tentam convencer os jurados, seis homens e uma mulher, que os suspeitos agiram em legítima defesa. Segundo eles,  Renílson Veriano da Silva, 39, e Jeferson Coelho da Silva, 17, tinha envolvimento com o mundo do crime.

1º dia

No 1º dia de julgamento, nessa terça-feira (18), foram ouvidos o policial militar Denilson Veriano da Silva, pai de Jeferson e irmão de Renílson, e mais três testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público de Minas (MPMG). Todos negaram que as vítimas tinham envolvimento com o tráfico de drogas da região.

Por outro lado, os advogados de defesa, entre eles o advogado Ércio Quaresma, levaram para o plenário uma série de fotos em que tio e sobrinho aparecem ao lado de suspeitos de tráfico de drogas.

Quaresma ainda levou armas, dentre elas um fuzil, para o plenário. Ele questionou duas das testemunhas – aquelas que viram o local logo após o crime – qual seria a distância que possibilitaria o reconhecimento das armas. A defesa ainda afirmou que umas das moradoras do aglomerado que depôs tem um filho com o suposto traficante Tigrão e que outra testemunha tem familiares envolvidos com drogas.

Relembre o caso

Na madrugada de 19 de fevereiro, uma incursão policial contra o tráfico de drogas na Vila Marçola, Aglomerado da Serra, terminou com dois mortos, que eram filho e irmão de um policial militar. Houve um tiroteio entre policiais e suspeitos, deixando um policial ferido e dois suspeitos baleados, que foram socorridos, mas morreram antes mesmo de serem atendidos.

Jason Ferreira Paschoalino já havia sido condenado a 12 anos de prisão  por outro homicídio cometido em julho de 2010, no bairro Nova Suíça. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave