RJ e Bahia podem ser os próximos a integrar a operação Divisas Seguras

Nesta terça, houve a reunião trimestral da operação e a Bahia confirmou a participação no grupo, e informou que o convênio será assinado nas próximas semanas

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Reunião contou com representas das forças de segurança e dos Estados que fazem fronteira com Minas
OSVALDO RAMOS
Reunião contou com representas das forças de segurança e dos Estados que fazem fronteira com Minas

Foi confirmada nesta terça-feira (18) a participação da Bahia no grupo da operação "Divisas Seguras", uma forma de combater à criminalidade nas divisas de Minas Gerais. O Estado baiano confirmou a inclusão no grupo e, segundo o coronel Lira Junior, comandante da região Oeste da Polícia Militar da Bahia, o acordo será assinado nas próximas semanas.

Já o representante do Rio de Janeiro, que também participou da reunião na expectativa de integrar o grupo, informou que a proposta está sendo estudada e que a definição sairá após a reunião com o secretário de Defesa Social do Estado fluminense. A ação existe há um ano e já tinha os estados de São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás como parceiros.

Segundo o secretário de Estado de Defesa Social Rômulo Ferraz, a dificuldade em Minas é que as operações são muito complexas, por causa do tamanho do Estado e da enorme fronteira. Minas faz limite com Bahia, Goiás e o Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

"Ao longo de um ano de operação, foram realizadas ações volumosas e exitosas no combate ao tráfico de drogas e armas nas divisas, assaltos a bancos, caixas eletrônicos e carros fortes. Isso se deu pela soma do efetivo policial entre os Estados, uma integração das áreas de inteligência  e troca de dados, para agilizar o trabalho das polícias nos Estados", explicou o secretário.

A reunião acontece de três em três meses e, nesta terça, estiveram reunidos a cúpula do Sistema de Defesa Social, representantes das forças de segurança dos Estados, assim como seus representantes, exceto os do Mato Grosso do Sul, a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), as polícias Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros, as receitas Estadual e Federal, o Ministério Público, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal.

Balanço

Desde quando as fiscalizações da operação "Divisas Seguras" começaram, em março do ano passado, já foram feitas 12 operações, sendo que a última delas aconteceu no último dia 13 de março. Neste período, foram abordadas mais de 100 mil pessoas e 80 mil veículos e efetuadas 462 prisões.

Além disso foram apreendidos 300 quilos de explosivos, uma tonelada de maconha, mais de 500 pedras de crack, cerca de 50 armas de fogo e 6 mil munições, 1.119 pares de calçados, 8 mil telhas, 860 estacas de eucalipto, uma tonelada de queijo e 4 mil mídias de CD e DVD, entre outros materiais. Além disso, também foram realizadas ações de repressão a furto e roubo de veículos.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave