Irmãos queriam fazer dupla de funk

iG Minas Gerais |

Tatuado com o nome da mãe na perna e no braço e usando roupas de Ícaro, Igor, irmão gêmeo idêntico dele, diz que os dois eram inseparáveis, mas evita falar da relação com o irmão. Tímido e cabisbaixo, Igor conta o sonho dos dois: “Queríamos montar uma dupla de funk, os MCs P2” – a letra “P” é uma alusão ao apelido do pai, Pardal.

Segundo funcionários do abrigo, o pai veio do Sul do país para Ouro Preto, era querido e faleceu após ser atropelado e sofrer AVC, quando os filhos tinham 10 anos. “Era carinhoso e fez muita falta aos dois”, conta Cássia Vitorino, ex-presidente do Conselho Municipal de Direitos da Infância e da Juventude.

tráfico. Já a mãe, conhecida como Rose, é dependente química e já foi presa por quatro vezes por tráfico de drogas, segundo a diretora do abrigo, Shirley Xavier. “Na última vez, eles tinham 15 anos e ficaram muito revoltados.”

Shirley ressalta que os irmãos sempre tiveram comportamento violento, sobretudo Ícaro. “Quando o mandávamos para a escola, ele quebrava tudo o que tinha pela frente”, lembra a diretora, acrescentando que muitos objetos destruídos pelo menor ainda estão quebrados. (PVP)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave