Eurico mira eleição no Vasco e ataca Andrés e Felipão

Dirigente afirmou ainda que Ricardo Teixeira segue mandando na CBF, mesmo após ter renunciado ao cargo

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Divulgação
undefined

Aos 69 anos, Eurico Miranda mantém os velhos hábitos: não dispensa seus charutos cubanos e respira o dia a dia da política do Vasco. Ele é candidato à presidência do clube na eleição prevista para agosto. Nesta entrevista exclusiva à Agência Estado, concedida em seu escritório, no centro do Rio, uma das figuras mais polêmicas do futebol brasileiro nas últimas décadas ataca outros dirigentes, como o ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez, e até o técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari.

Confira a entrevista a seguir, no qual o dirigente mostrou que continua com a língua afiada e disse, entre outras coisas, que Ricardo Teixeira segue mandando na CBF, mesmo após ter renunciado ao cargo que hoje está nas mãos de José Maria Marin.

Agência Estado - Por que o senhor quer voltar a ser presidente do Vasco?

Eurico - É mais que uma missão. Pela absoluta necessidade de ter que resgatar o Vasco. Duas vezes na Segunda Divisão (do Brasileiro) é a degradação total. Há um problema de representatividade do Vasco, da imagem, (o clube) passou a ser tratado como de segunda classe.

AE - A primeira queda estava encaminhada quando o senhor ainda era presidente ...

Eurico - Encaminhada? Deixei o Vasco em oitavo lugar na competição, 'pô.' Estava encaminhada pra cima ou pra baixo? Não 'tô' entendendo.

AE - Essa foi a alegação do atual presidente, Roberto Dinamite, na época (com relação a dívidas, atraso nos pagamentos) ...

Eurico - Não tem alegação. Ele trocou tudo, as pessoas que estavam no futebol. Pior. Faltavam cinco ou seis rodadas para terminar o campeonato, parecia que irremediavelmente o Vasco estava condenado, e eu ofereci ajuda. Disse que comigo o Vasco não cairia. Mas eu precisava ter plenos poderes para assumir. E ele não. Querem imputar a mim? Só faltava essa.

AE - Como agiria naquela partida com o Atlético-PR (jogo marcado por confrontos na arquibancada e que selou o rebaixamento do Vasco no Brasileiro, no final de 2013)?

Eurico - Aquele jogo não era nem pra ter começado. E depois de iniciado, o Vasco não podia continuar de maneira nenhuma. A lei é clara, quem tem de dar garantia é o mandante. Aquilo tudo foi premeditado. Não importa as consequências (para o Vasco). Não podia passar por isso. O Vasco depois foi a julgamento, o tribunal absolveu (o clube paranaense) e o Vasco não recorreu dessa absolvição. Isso é brincadeira. O Vasco não perderia aqueles pontos nunca. Agora a coisa mais grave, mais séria, é que a CBF da mesma maneira como agiu com a Portuguesa, ela fez com o Vasco. E teve êxito. Peitou pra concordar em disputar a Segunda Divisão. O Vasco foi lá (na CBF) pedir ajuda e saiu de lá com declaração de que deveria participar da Segunda Divisão. Deve ter sido convencido com bastantes argumentos.

AE - Supõe que argumentos seriam esses?

Eurico - Não suponho nada. Cada um supõe o que quiser. Você é presidente de uma associação, vai lá, mostra pra CBF e depois você sai de lá dizendo que o Vasco vai disputar a Segunda Divisão. Foram argumentos bem convincentes.

AE - Na Copa João Havelange, em 2000, o senhor defendeu a continuação da decisão entre Vasco e São Caetano mesmo depois de o alambrado de São Januário cair e ferir dezenas de pessoas. Havia condição de prosseguir o jogo?

Eurico - Ah, eu não estive preocupado com as pessoas feridas? Evidente que estive. Se é que você quer entender. Foi a primeira coisa. Todos foram atendidos com presteza. Depois, claro que eu me preocupei com a partida ser reiniciada. Eu sempre entendi de regulamentos. O regulamento dizia que a associação que desse causa à suspensão de uma partida seria declarada perdedora por 1 a 0. Tinha empatado a primeira, (o Vasco) ia perder. Mas eu não decidi nada. A Defesa Civil disse que podia, o policiamento disse que podia, o Bombeiro disse que podia. A partida estava pronta para ser reiniciada, aí vem o Galvão Bueno (locutor da TV Globo) e diz (na transmissão): 'Será que não tem autoridade nesse estádio que suspenda essa partida?'. Foi quando o governador (Anthony Garotinho) mandou que a partida fosse suspensa. O árbitro botou na súmula que suspendeu a partida por ordem superior. Foi por isso que teve outro jogo. Depois disso, eu tive de enfrentar a Globo, que não queria realizar outro jogo, queria primeiro dar o título ao São Caetano, depois queria dividir o título com os dois, eu não aceitei, tive que ir ao tribunal, que determinou a realização de outra partida, e o Vasco foi campeão. E eles (a Globo) me asfixiaram financeiramente, não me pagaram, foi por isso que apareceu o SBT no uniforme (o Vasco jogou com um logotipo da emissora de Silvio Santos), que era a maneira de protestar. Ganhei o campeonato, passei 18 meses no Vasco com uma asfixia financeira brutal, sem receber um centavo. Nem pagamento do que fosse, 18 meses ...

AE - Como foi a sua passagem como diretor de futebol da CBF em 1989/1990?

Eurico - Parece que vocês não gostam de lembrar. Em seis meses na CBF, criei a Copa do Brasil, conquistei uma Copa América, que o Brasil não ganhava há 40 anos, classifiquei o Brasil para a Copa do Mundo e saí. Essa foi a minha passagem.

AE - Nunca mais cogitou em voltar para a CBF?

Eurico - Eu fui pra CBF atendendo a um pedido claro. O João Havelange (ex-presidente da Fifa) me fez um apelo patético, pra que eu fosse ajudar o Ricardo Teixeira (então eleito), que estava iniciando e eu fui.

AE - Quem aprendeu mais no convívio entre os dois? Ricardo Teixeira com Eurico ou Eurico...

Eurico - Eu aprendi? Eu? Que pergunta é essa que você fez? Eu aprendi? Eu discordei do Ricardo Teixeira permanentemente. Eu não aprendi nada. Eu tenho as minhas dúvidas se, quando eu fui pra lá, o Ricardo sabia que no futebol tinham 11 de cada lado. Sinceramente. Agora, mexer com coisas internacionais, coisa e tal, nisso aí ele se tornou especialista.

AE - Como interpretou a renúncia de Ricardo Teixeira da CBF em 2012?

Eurico - Renúncia entre aspas. Ele saiu e continua mandando.

AE - Incluindo agora o processo eleitoral (em abril haverá nova eleição para presidente da entidade)?

Eurico - Sim.

AE - Então não teve nenhum reflexo para o futebol brasileiro a saída de Teixeira?

Eurico - Nenhum. O que há é continuidade. Pergunta se quem vai ganhar com a Copa não são os mesmos que estavam com ele.

AE - Qual sua posição com relação ao atual presidente da CBF, José Maria Marin, e a Marco Polo Del Nero, que deve ser o sucessor dele?

Eurico -Se o Ricardo Teixeira continua mandando, eu sou contra. Sou contra por que as coisas se repetem, são as mesmas. A CBF está muito bem, os clubes muito mal. A CBF só existe porque tem os clubes que botam os jogadores na CBF. E a CBF tem os maiores patrocínios. A CBF tira o jogador, faz um amistoso (da seleção) com valores estratosféricos e o clube não recebe um centavo.

AE - Como presidente do Vasco, o senhor lutaria pela criação de uma liga independente de clubes?

Eurico - Por que liga? Independente da CBF pra quê? Não é isso. Eles detonaram o Clube dos Treze, que era importante pra discutir comercialmente, todo mundo sabe que uma negociação coletiva é muito mais difícil que uma negociação individual. Fizeram isso pra favorecer um ou outro. Distorceram o futebol. Hoje, você caminha para uma 'espanholização' do futebol brasileiro. Querem transformar dois clubes, como Barcelona e Real Madrid, e deixar os outros como coadjuvantes. Querem fazer de Flamengo e Corinthians esses dois clubes. Há um processo de elitização do futebol brasileiro. CBF, clubes, mídia e outros interessados. Tem altos interesses por trás. Você acha que eu posso concordar que o Corinthians seja beneficiado com R$ 500 milhões do BNDES? E os outros? Ah, por que uma figura do governo deu. Você acha que o Andrés Sanchez está lá, que diz que é pai, avô, filho, não sei mais o que lá do Itaquerão ... você acha que ele está lá de graça? Por que eles não venderam até agora aqueles naming rights? Pergunta quem vai ganhar com os naming rights?

AE - Quem vai ganhar?

Eurico - Não sei. Apure, você tem obrigação. Eu 'tô' dizendo.

AE - Apoiaria uma eventual candidatura de Andrés Sanchez à presidência da CBF?

Eurico - Mandei você apurar a questão dos naming rights.

AE - Vê alguma perspectiva de mudança no futebol brasileiro?

Eurico - Não. Não vejo ninguém que conteste com base. Uma coisa é dizer que não concorda. Não concorda por quê? Isso está errado. O que, errado aonde?

AE - Um dos problemas do futebol brasileiro é a falta de transparência?

Eurico - Que nada, isso é uma conversa fiada, esse negócio de falta de transparência. As pessoas sabem, não fazem nada, os números estão aí. É o sistema, mas não enfrentam.

AE - Qual a sua opinião sobre o movimento criado pelos atletas com o nome de Bom Senso FC?

Eurico - Como é que o cara que ganha 300 mil, 400 mil, 200 mil por mês, que é ofensivo ao povo brasileiro, tem a coragem de dizer que senta em campo e não joga? Todos os líderes desse movimento são jogadores que estão terminando (a carreira), todos eles muito bem abastecidos. Ganham o que ganham e ainda acham que têm que ter mais privilégio. Tem gente que ganha por dia o que o trabalhador brasileiro não ganha em 20 anos. Que distorção é essa? Mais de 90% dos jogadores brasileiros trabalha três meses por ano e não ganha nem dois salários mínimos.

AE - O Bom Senso tem proposta para uma Série E com 430 clubes...

Eurico - Todo mundo tem muita ideia. De que maneira? Isso é muito fácil. E na hora de botar a ideia na prática? Não é factível. É evidente que precisa de um campeonato de séries inferiores subsidiado pela CBF, mas não há esse interesse.

AE - O senhor, quando presidente do Vasco, não pagava salários muito altos?

Eurico - Claro que não. Nunca houve isso, eu só pagava o que podia pagar.

AE - O senhor foi condenado a 10 anos por crime tributário...

Eurico - Foi anulada. A condenação foi anulada. Aquela CPI (do Futebol, instaurada na Câmara em 2000) concluiu que eu não cometi crime tributário. Fui investigado pela Polícia Federal, Ministério Público, por tudo. Eu tenho uma passagem pelo futebol brasileiro. Tentaram denegrir minha imagem, tentaram botar Eurico ladrão. A minha vida foi revirada de cima pra baixo, por meio de uma CPI. Fiquei com meu nome limpo e não foi por decurso de prazo, prescrição. Contrario interesses e tem que ter uma campanha pra acabar comigo. A Toda-Poderosa destruiu uma série de pessoas e veja se me destruiu? Tenho uma base pra sustentar isso tudo, que é a minha família. Sou um excelente pai de família, casado há mais de 50 anos, pai de quatro filhos, tenho sete netos. Eles sempre me deram força pra suportar tudo isso.

AE - Quem é a Toda-Poderosa?

Eurico - A Globo, pô.

AE - O senhor sempre considerou João Havelange o grande dirigente esportivo do País. Mantém essa opinião?

Eurico - Eu não quero entrar no mérito de outras coisas. Um brasileiro que vai para uma entidade internacional que tem mais filiados que a ONU, e que fica lá por mais de 20 anos. Ele tem que ser reverenciado o tempo inteiro como cidadão brasileiro. Só isso.

AE - E as denúncias de corrupção contra ele?

Eurico - Isso é outra coisa. Eu acho o seguinte. A maior parte dessas denúncias que aconteceram ... ele teve de encampar por causa do genro (refere-se a Ricardo Teixeira).

AE - O senhor conseguiu anular um jogo da Libertadores em 1990, entre Vasco e Atlético Nacional, na Colômbia, por pressões contra a arbitragem. Hoje, haveria espaço para isso novamente?

Eurico - O Vasco foi jogar lá, os caras com metralhadora no vestiário, aí vieram me denunciar que o árbitro tinha sofrido um sequestro relâmpago e teriam dito pra ele: 'Vê lá o que vai acontecer'. Diante daquele quadro todo, tinha cartel de Medellín no meio, eu tive coragem de denunciar, o árbitro confirmou e foi anulada a partida.

AE - Qual vai ser o legado da Copa?

Eurico - Desde o início, fiquei preocupado. Tem uma pessoa séria lá, o Luís Fernandes (secretário executivo do Ministério do Esporte). Mas você pode admitir que no comitê organizador tenha quem ganhe 90 mil, outro 80 mil? E pra fazer o quê? Você pode admitir que na CBF cada diretor ganhe 70, 80, 90, 100 mil? Pra ganhar isso, tem que sair de algum lugar. Na outra ponta disso está o torcedor, que é quem paga.

AE - É a favor do consumo de bebidas alcoólicas nos estádios?

Eurico - Claro que sou. Isso não é a causa da violência. O cara não pode beber no estádio, mas fica no bar, bebendo, vendo o jogo pelo PPV. A cerveja sempre fez parte do jogo de futebol. E olha que eu sou a favor da Lei Seca. 'Se beber, não dirija' é uma coisa. Agora, 'se beber, não vá ao jogo' é outra. Aí não.

AE - Defende a extinção das torcidas organizadas?

Eurico - A torcida organizada é a grande responsável pelo espetáculo que é dado no campo de futebol. Eu sempre estimulei, mas sempre coibi esse negócio de violência. Se eu tomasse conhecimento disso, eu cortava todo o incentivo que dava. A violência afasta as pessoas. Não tem nada mais importante pra mim, num jogo de futebol, do que ver um pai com uma criança vestindo a camisa do clube.

AE - Concorda com a responsabilização dos clubes por brigas de torcidas?

Eurico - Se o clube incentivou a torcida, sou a favor.

AE - Como analisa a seleção, em campo, para a disputa da Copa?

Eurico - Sou contra treinador absoluto. Como é que pode o treinador dizer que um cara que não está jogando, que está machucado, que ficou um ano sem jogar, aí ele vem dizer que o único garantido é o Fred? Por favor. Não tem presidente na CBF? Não pode. Se eu sou presidente da CBF e o técnico vai convocar, tem que falar comigo antes. Tem que me dar a lista. Eu não posso saber da lista pelo jornal e eu tenho direito de fazer o meu questionamento, pedir explicações. Até o cara me convencer.

AE - E se não convencer?

Eurico - Aí fodeu. Não leva.

AE - O Felipão acertou em 2002 ao não levar Romário?

Eurico - Claro que errou. O Romário foi o maior jogador de gol da história do futebol. Na área, ele foi mais do que Pelé. Não é que fizesse jogada bonita, não é isso. Ele nasceu com aquele dom raciocínio num átimo. Agora, não pode comparar com a criatividade do Pelé. Estou dizendo dentro da área. Igual ao Romário não houve.

Leia tudo sobre: eurico mirandaatacasanchesfelipaovascofuteboleleiçao