Jornalista morta em Portugal relatava ameaças e agressões

Carla Santos, encontrada morta em uma banheira, chegou a ser sequestrada e reclamava da Justiça portuguesa; família acredita que ex-marido tem relação com o desaparecimento do irmão mais velho da brasileira

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O ex-marido Moisés é o principal suspeito do assassinato da jornalista e do irmão dela, que está desaparecido desde dezembro do ano passado
Reprodução/ Facebook
O ex-marido Moisés é o principal suspeito do assassinato da jornalista e do irmão dela, que está desaparecido desde dezembro do ano passado
A jornalista brasileira Carla Santos, encontrada morta em uma banheira na região metropolitana de Lisboa, em Portugal, no dia de 3 março, recebia ameaças, sofria agressões e chegou a ser vítima de um sequestro praticado pelo ex-marido. O relato é da mãe de Carla, Amélia Santos, que, em entrevista a uma emissora de televisão portuguesa, afirmou que acredita que o acusado de assassinato é também o responsável pelo desaparecimento de Marcelo Santos, irmão de Carla, que está sumido desde o dia 12 de dezembro do ano passado. Para a família,  Moisés praticou o crime contra Marcelo para cumprir as ameaças de destruir a família de Carla, feitas quando se separou dela, em 2010. A mãe da brasileira culpa a Justiça portuguesa, que não garantiu a prisão do ex-marido quando, na ocasião da separação, ele chegou a sequestrar e agredir a jornalista. "Ele sequestrou a minha filha. Várias pessoas viram que ela entrou aos gritos dentro do carro. e saiu por aí afora. Ele dizia que ia matar, aterrorizava", disse Amélia Santos.  Carla teria ficado sob as ameaças de Moisés por cerca de seis a sete horas. O ex-marido foi preso, o caso chegou aos tribunais, mas Carla acabou aceitando um acordo proposto pelo Ministério Público e a ação foi arquivada. "A justiça em Portugal não funcionou", reclama a mãe. De acordo com um sócio e amigo de Carla, de nome Jorge, ela dizia não acreditar mais na Justiça, relatava as agressões do ex-marido e temia seus ataques. "Ela dizia que não havia Justiça, falava dos casos de violência doméstica e ficava horrorizada. Tinha medo que acontecesse com ela. Temia as agressões e que ele fizesse algo contra seu filho", afirmou Jorge.    O caso A jornalista carioca Carla Santos, 41, moradora de Belo Horizonte desde a infância por cerca de 20 anos, foi encontrada morta na banheira da casa dela em Portugal na última segunda-feira (3). O principal suspeito é o ex-marido dela, o português Moisés Fonseca, 43, com quem tinha um filho de 5 anos.  O suspeito e a vítima estavam divorciados há cerca de dois anos, e a relação dos dois funcionava em esquema de guarda compartilhada. O filho deles, de 5 anos, passava a maior parte do tempo com a mãe, mas o pai tinha o direito de passar alguns dias com ele. No dia anterior ao crime, Moisés esteve no apartamento de Carla, que fica a apenas cinco minutos de carro da casa dele, e levou a criança, dizendo que iria passar alguns dias com ela. Por volta de 1h, ele teria voltado ao local e esfaqueado a ex-mulher na banheira. A jornalista foi encontrada vestida, com perfurações de faca no abdômen e nas costas.