Dose extra de ferocidade

Naked Ducati Monster fica mais valente com novo motor 1198 cc de 145 cv em versão 1200S

iG Minas Gerais | Carlo Valente |

Assistências eletrônicas ajudam a
Ducati/Divulgação
Assistências eletrônicas ajudam a "domar a fera"

Em 1993, a Ducati buscava uma moto que aliasse a praticidade de uma naked à potência e baixo peso de uma esportiva. E foi esse o ponto de partida para o lançamento da linha Monster. De lá para cá, o modelo vendeu cerca de 275 mil unidades e, versão após versão, conquistou cada vez mais poder de fogo. Caso da 1200 apresentada no Salão de Milão de 2013, lançada na Europa em fevereiro e prevista para desembarcar no Brasil ainda no primeiro semestre de 2014.  Essa última versão mostra claramente essa pujança com seus 145 cv alcançados na configuração S.

O aumento na potência veio com o novo motor Testastretta 11° Dual Spark bicilíndrico em “V” – que a Ducati chama de L-Twin pelo seu posicionamento –, com 1198 cc. Esse é o primeiro propulsor com refrigeração líquida das naked Monster. Com quatro válvulas por cilindro, ele é capaz de produzir 135 cv no modelo 1200 e 145 cv na configuração mais potente, a 1200S, com torque de 12,7 kgfm e 182 kg de peso seco. Na versão mais “mansa”, o torque é de 12 kgfm.

Opções

O acelerador eletrônico trabalha associado ao controle eletrônico de tração e tela de instrumentação TFT, que muda conforme a seleção de pilotagem escolhida. São três modos de direção: o Urban é indicado para tráfego na cidade, Touring para uso em viagens e o Sport oferece resposta instantânea do acelerador e ajusta o ABS dos freios e o controle de tração para as menores intervenções na pilotagem. No total, são oito níveis de controle de tração, três de frenagem ABS e três do acelerador.

A Ducati Monster 1200 tem apenas a cor vermelha, enquanto a configuração S pode ser vermelha com quadro vermelho ou branca com quadro bronze, com escapamento de alumínio preto e para-lama de fibra de carbono. Em comparação com a anterior 1100 – que seguia o projeto das 696 e 796 –, muda a posição de pilotagem, que ficou menos inclinada para frente. O assento, aliás, além mais comprido e largo, agora tem ajuste de altura. O tanque ganhou quatro litros na capacidade e foi para 17,5 litros. A Monster 1200 também teve o centro de gravidade rebaixado e o peso reduzido em dois quilos. A nova topo de linha da família Monster chegará ao Brasil com preço estimado em R$ 57,5 mil para a versão standard e R$ 68,9 mil para a configuração S.

Impressões

Conforto e dirigibilidade são evidentes desde a hora em que se experimenta o assento da Ducati Moster 1200S. Mais ergonômico, ele oferece todas as comodidades que se quer ao viajar centenas de quilômetros. Até mesmo o guidão, largo e para trás, permite uma posição de condução boa que possibilita o domínio total do modelo.

O modo Urban continua a ser muito fácil e prático de usar, permitindo boa destreza e com motor suficiente para as necessidades do dia-a-dia. No Touring, já a partir de 2.500/3.000 rpm, a Monster mostra sua personalidade, com agilidade e precisão a cada curva. Talvez a frente parece mais leve do que realmente é, mas essa sensação se deve ao fato de o peso não ser dividido por igual entre a traseira e a dianteira – ficou em 52,5% para trás e 47,5% na frente. No modo Sport, basta exigir um pouco mais da manete para ver os 145 cv de potência surgirem. E, ao mesmo tempo, perceber que é tão reativa e agressiva quanto o nome da moto sugere.

Dinâmica

O freio dianteiro funciona bem, talvez até demais. A sensação é de que qualquer descuido, um simples exagero na pressão sobre a manete, pode ser perigoso. Em contrapartdida, o traseiro deve ser operado com determinada decisão, para ser capaz de desacelerar rapidamente. É quase supérfluo mencionar a suspensão Ohlins, que transmite uma forte segurança. Capaz de cobrir todos os tipos de terrenos acidentados sem sacolejos, com boa precisão.

A Monster 1200S lembra muito a agressividade da Diavel, possibilitando uma pilotagem mais aventureira e emocionante. Por outro lado, não é indicada para pessoas pouco experientes. Trata-se de um modelo top de gama e os motores menores são mais adequados para quem está começando. Mesmo assim, não chega a ser um “monstro” tão complicado de se domar.

Leia tudo sobre: MotonakedDucatiMonster