Preguinho, o esportista mais completo que o Brasil produziu

No dia 14 de julho de 1930, João Coelho Neto, mais conhecido como Preguinho, fez o 1º gol do Brasil em Mundiais; conheça a história deste jogador e super-atleta

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Preguinho (primeiro à direita) marca o primeiro gol da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1930
ACERVO PESSOAL/CBF/FLUMINENSE/REPRODUÇÃO
Preguinho (primeiro à direita) marca o primeiro gol da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1930

Antes mesmo de Garrincha, Pelé, Romário, Ronaldo, Rivaldo, Fred, Neymar e tantos outros artilheiros, antes mesmo que o futebol brasileiro fosse a potência que é, ele foi o precursor, o jogador que abriu a porteira para os 210 gols marcados pela seleção brasileira em Copas do Mundo. Mas ele não era um futebolista comum, ele era um atleta, e um atleta completo.  Talvez você nunca tenha ouvido falar de João Coelho Neto, carioca, nascido em 1905.

Conhecido como Preguinho, uma referência ao apelido do pai, o escritor Coelho Neto, este icônico personagem dos tempos áureos do futebol brasileiro carrega consigo uma história de amor ao esporte e a marca de ser o autor do primeiro gol da seleção brasileira em Mundiais. 

O primeiro gol do Brasil em Copas - Naquele dia 14 de julho de 1930, o Brasil, único país a participar de todas as Copas, encarou a Iugoslávia, no estádio Parque Central em Montevidéu.

Com uma seleção completamente desfigurada e sem contar com a presença de jogadores do futebol de São Paulo, entre eles Friedenreich, Feitiço e Del Debbio, proibidos pela Associação Paulista de Esportes (Apea) de atuarem devido a disputas internas com a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), o Brasil não suportou a pressão dos iugoslavos e logo no primeiro tempo sofreu dois gols.

O sofrimento e a glória - Mas, aos 17 minutos do segundo tempo, Preguinho, um dos grandes nomes do futebol nacional à época, deixou sua marca. Pamplona cobrou o escanteio. No desespero, Stefenovitch tirou de cabeça. A Iugoslávia não conseguiu manter a posse de bola no campo de ataque. Fausto então dominou, driblou Vouyadinovich e lançou para a área adversária. Ickovitch e Prego disputaram a bola, mas o brasileiro levou a melhor e mandou a bola para o fundo das redes.

A seleção brasileira perdeu aquele jogo, 2 a 1 no marcador para os iugoslavos, que finalizaram a fase de grupos na liderança após vencer mais um duelo frente aos bolivianos, saco de pancadas do grupo e que também perderam para o Brasil por 4 a 0. Nesta mesma partida frente aos rivais sul-americanos, Preguinho fez dois gols e finalizou o Mundial como o primeiro artilheiro e primeiro capitão do escrete canarinho.

Mais completo esportista do Brasil - Atleta nato, sempre defendeu as cores do Fluminense. Além de se destacar no futebol, acumulou conquistas no remo, vôlei, basquete, pólo aquático, saltos ornamentais, natação, hóquei e atletismo.

Foram 55 títulos e 357 medalhas pelo Tricolor das Laranjeiras. Precoce, aos 18 anos, foi artilheiro do Campeonato Carioca de 1923, e ainda acumulou outros feitos como marcar um gol da intermediária, coisa que nem Pelé fez. Lendário, Preguinho faz parte do folclórico Brasil da década de 1920, acumulando para si histórias narradas por jornalistas e historiadores, entre eles Argeu Afonso, seu amigo pessoal.

"Foi campeão carioca de natação, veio para o Estádio das Laranjeiras, pegou o jogo final, entrou no time e foi campeão. Seria mar e terra. A lenda é que uns dizem que ele veio da Praia de Botafogo para o Fluminense de táxi. Outros dizem que ele veio de bicicleta. E os mais fanáticos dizem que ele veio correndo, quer dizer, fez natação, veio correndo, e jogou futebol. Seria o máximo! Mas isso vai por conta da lenda", relata Argeu em um de seus textos.

Falecimento e homenagens - Preguinho morreu aos 74 anos, em 1979, devido a problemas pulmonares. No entanto, sua história permanece viva, seja no busto imponente dedicado a ele no Clube das Laranjeiras, ou na memória de quem teve o prazer de assistir o atleta mais completo que o esporte brasileiro pôde produzir.