Corpo de Paulo Goulart é enterrado na capital paulista

Ator morreu na manhã de quinta-feira (13) devido a um câncer; fãs e amigos que estiveram presentes aplaudiram a atriz Nicette Bruno, que foi casada com o ator por mais de 55 anos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

AgNews - Sao Paulo , 13 de Marco de 2014
Nicete Bruno e filhos concedem coletiva no Hospital Sao Jose , SP
FOTO : Leo Franco / AgNews
Leo Franco / AgNews
AgNews - Sao Paulo , 13 de Marco de 2014 Nicete Bruno e filhos concedem coletiva no Hospital Sao Jose , SP FOTO : Leo Franco / AgNews

O corpo do ator Paulo Goulart, falecido na manhã de quinta-feira (13), foi enterrado no início da tarde desta sexta-feira (14) no Cemitério da Consolação, na capital paulista. Durante a cerimônia, a música 'Eu sei que vou te amar', de Tom Jobim, foi tocada e todos os presentes entoaram juntos.

Durante o enterro, fãs e amigos de Goulart que estiveram presentes aplaudiram a atriz Nicette Bruno, que foi casada com o ator por mais de 55 anos. 

Paulo Goulart nasceu Paulo Afonso Miessa em 9 de janeiro de 1933, mas se tornou Paulo Goulart em homenagem ao tio radialista, Airton Goulart. Natural de Ribeirão Preto, começou sua carreira no rádio. Chegou a estudar Química Industrial, pois queria “ter algum ofício”.

Mas não conseguiu fugir do dom para as artes cênicas. No início dos anos 50, a Rádio Tupi abriu testes para locutores. Goulart não passou no teste, mas mesmo assim foi contratado por Oduvaldo Vianna como radioator. Vianna foi quem percebeu no jovem de voz e gestos marcantes o potencial para se tornar, então, ator profissional.

Com 18 anos, integrou o elenco de vários programas e, como era o caminho natural da época, acabou chamando atenção dos diretores de TV. O primeiro programa no qual atuou foi o de Mazzaropi, no papel de Boca Mole.

Em 1952, estreou na TV Paulista, no elenco da novela Helena. Foi também neste ano que entrou para o Teatro de Alumínio, sob a direção de Abelardo Figueiredo. Lá conheceu aquela que se tornaria sua mulher e mãe de seus filhos: a atriz Nicette Bruno, com quem se casou em 1954. Foi também com ela que estreou nos palcos, no mesmo ano, Senhorita Minha Mãe.

Era o início de uma parceria para toda a vida, que rendeu projetos como o Teatro íntimo Nicette Bruno, fundado pelo casal, além de dezenas de peças memoriáveis e premiadas. Em 1953, por exemplo, foi dirigido pelo estreante Antunes Filho em Week-end, de Noel Coward. Entre outras produções teatrais das quais participou nos anos seguintes, destaca-se Bife, Bebida e Sexo, dirigida por Paulo Francis em 1955.

Em 1956, entra para o elenco da histórica Vestido de Noiva, em que contracenava com Henriette Morineau, com quem Paulo conviveu por vários anos e a quem diz dever muito a sua formação. Para participar da peça de Nelson Rodrigues, Paulo e Nicette se mudaram para o Rio, onde ele também trabalhou no cinema, integrando o elenco do longa Rio Zona Norte, de Nelson Pereira dos Santos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave