Adolescente sai de abrigo e acaba morto com suspeita de overdose

Menor de 16 anos foi encontrado desacordado em uma viela, sofreu parada respiratória e acabou morto

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Após sair da Casa Lar onde estava abrigado na noite da última quinta-feira (13), um adolescente de 16 anos acabou morrendo com suspeita de overdose, na madrugada desta sexta-feira (14), em Ouro Preto, na região Central de Minas Gerais. O menor vivia juntamente com seu irmão gêmeo na casa, que recebe adolescentes em situação de vulnerabilidade, há cerca de seis anos.

Conforme as informações da Polícia Militar (PM) do município, eles receberam uma chamada por volta das 23h informando que um adolescente estaria caído em uma viela no aglomerado conhecido como Veloso, no bairro São Cristóvão. Ao chegarem no local, de difícil acesso por conta dos becos e vielas, os militares localizaram Ícaro Francisco Marcelino caído ao solo e inconsciente.

Enquanto aguardavam a chegada do Serviço de Atendimento Móvel Urgência (Samu), o menor sofreu uma parada respiratória. Os militares fizeram uma massagem cardíaca e transportaram o garoto até a viatura, para poderem socorrê-lo o mais rápido possível.

Ainda segundo a PM, ele foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, onde foi atendido pelo médico de plantão. Apesar dos esforços, o jovem acabou falecendo por volta de 00h desta sexta-feira (14).Os médicos ainda constataram que o menor não tinha sinais de violência e a causa da morte só será precisada após a autópsia.

Em contato com a diretora da Casa Lar, os militares descobriram que o menor estava abrigado no local e teria saído após o jantar, por volta das 19h, dizendo que daria uma volta. Depois disso ele não foi mais visto e passou a ser procurado pelos funcionários da casa.

Testemunhas informaram à PM, que antes de passar mal ele teria sido visto na companhia de um rapaz de 17 anos que é conhecido pela prática do tráfico de drogas. Militares foram até a residência do menor, onde em cima de uma mesa foi localizada uma substância semelhante à maconha.

O garoto disse desconhecer que o colega tinha tido uma overdose, mas assumiu que durante a noite eles saíram fazendo uso de loló. Ainda segundo os militares que atenderam a ocorrência, o rapaz de 17 anos estava com forte hálito de loló. Entretanto, a polícia acredita que o adolescente tenha feito uso de outras drogas, uma vez que é raro o registro de mortes por overdose de loló.

Na casa do adolescente, que foi apreendido por conta da droga encontrada em sua casa, ainda foram encontrados um cachimbo, três celulares e R$ 37. O adolescente que morreu será enterrado na tarde desta sexta no cemitério da Igreja Santa Efigênia, no município.

Problemas de família

Uma funcionária da Casa Lar onde o garoto estava abrigado, e que preferiu não ser identificada, informou que as pessoas precisam entender que ele não estava apreendido, mas apenas acolhido. “Embora ele já tenha passagens pela polícia, ele não cumpria medida socioeducativa. A Casa Lar é um abrigo que acolhe menores em situações de risco”, explicou.

Ícaro Francisco Marcelino teria chegado à casa juntamente com seu irmão gêmeo, há cerca de seis anos. Apesar das várias tentativas, o Conselho Tutelar não conseguiu localizar familiares que quisessem assumir a guarda deles. “A mãe deles está presa por tráfico pela terceira vez, e infelizmente o Ícaro não conseguia se desvencilhar desse mundo”, lembrou a mulher.

No abrigo, os jovens podem ir à escola e sair, como por exemplo para uma quadra da região. Para a funcionária, por já ter passagens e ser agressivo, Marcelino não tinha perfil para ficar na casa, mas sim deveria estar internado. “Ele disse que daria uma volta, mas voltou para o bairro dele e indo para a boca de fumo. Procuramos ele por todas as partes, enquanto o irmão dele dormia no abrigo”, finalizou. 

Leia tudo sobre: menoroverdoseouro preto