Alstom e CAF são suspeitas de cartel de trens em empresas federais

Cade investiga possível cartel envolvendo a Alstom e CAF para licitações de empresas públicas da União para trens de Porto Alegre e Belo Horizonte, segundo Folha de S. Paulo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Uma investigação do governo federal aponta indícios de que as empresas Alstom e CAF, ambas suspeitas de integrar cartel para fraudar licitações de trens em São Paulo, também utilizaram artifícios irregulares em concorrências de duas estatais da União.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) prepara um relatório com os indícios de que o esquema também funcionou em concorrências da Companhia Brasileira de Trens Urbano (CBTU), para o metrô de Belo Horizonte, e da Trensurb, de Porto Alegre, ambas em 2012.

Ambas são vinculadas ao Ministério das Cidades.

O Cade deve instaurar um processo administrativo contra estas empresas e as outras 16 suspeitas na semana que vem, segundo a Folha.

As licitações, tanto em Belo Horizonte quanto em Porto Alegre, foram vencidas por consórcios formados por Alstom e CAF, sem que tivessem outros concorrentes na disputa.

Em Minas, o contrato foi dividido de forma com que a CAF ficasse com 93% dele e a Alstom com os outros 7%. Já em Porto Alegre, ocorreu o contrário: a CAF ficou com 7% e a Alstom com 93%.

À Folha, a Alstom negou que tenha participado de cartel com outras empresas nas vendas de trens para o governo federal. Já a Trensurb, de Porto Alegre, afirmou que os gestores da companhia federal de trens desconhecem a prática de ilegalidades por parte das empresas. CAF e CBTU não responderam.

Leia tudo sobre: trenscarteisMGalstom