Além de desvios, servidoras falam de assédio moral

Servidoras ouvidas pela reportagem, que pedem anonimato, também atribuem a Carlão atitudes de assédio moral

iG Minas Gerais | Da Redação |

Alertado por uma série de denúncias recebidas por órgãos de controle do município, dentre eles a Ouvidoria e a Controladoria, o prefeito Carlaile Pedrosa (PSDB), preocupado com a gravidade das mesmas, demitiu Léo Contador (DEM) no último dia 14 de janeiro, um dia antes de se licenciar para cirurgia cardíaca. Ele também demitiu seu ex-locutor Carlos Clarindo de Souza, que era contratado em cargo de confiança na extinta Superintendência de Eventos.

Porém, muitas denúncias surgiram após a saída de Léo e Carlão da prefeitura, durante o período em que Waldir Teixeira (PV) cumpria sua função de prefeito em exercício.

Servidoras ouvidas pela reportagem, que pedem anonimato, também atribuem a Carlão atitudes de assédio moral.

Outra funcionária diz ter sido sequestrada dentro da Secretaria de Assistência Social (Semas) por uma quadrilha armada. A secretaria também estaria sendo usada para “esquentar campanhas de candidatos a deputados”.

Um dos citados pela servidora é o vereador Welinton Abreu, o Sapão (PSB), apoiado, ostensivamente, por Léo Contador. Ao sair da secretaria, Léo alegou que se afastaria do cargo para disputar uma vaga a deputado federal em “dobradinha” com Sapão.Para alimentar esse esquema eleitoral, muitas pessoas também teriam sido contratadas através de convênios da Semas.

Denúncias sobre essas irregularidades já estão com o controlador Davson Prado, nomeado por Carlaile após substituir Robspierre Miconi Costa, responsável por investigar as irregularidades. O novo controlador-geral do município, que também já foi contador de empresas de Carlaile e de seu irmão, Ciro Pedrosa, não retornou às ligações.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave