Hamilton joga favoritismo para Williams antes de estreia

Piloto britânico, no entanto, não esconde que tem confiança no trabalho realizado pela Mercedes nos testes da pré-temporada

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Hamilton venceu o GP da Hungria, última prova realizada da Fórmula 1, há quase um mês
REPRODUÇÃO/MERCEDES
Hamilton venceu o GP da Hungria, última prova realizada da Fórmula 1, há quase um mês

Considerado um dos favoritos ao título da nova temporada da Fórmula 1, Lewis Hamilton admitiu, nesta quinta-feira, o bom momento vivido pela Mercedes antes do início do campeonato, mas tratou de jogar o favoritismo para a Williams, do brasileiro Felipe Massa e do finlandês Valtteri Bottas.

"Todo mundo está apostando na gente e fazendo previsões sobre o futuro. Mas eu realmente não posso dizer o que vai acontecer no fim de semana", afirmou o piloto britânico, que manteve o discurso cauteloso ao ser questionado sobre a equipe favorita a conquistar o título do campeonato. "Eu diria que é a Williams".

Apesar disso, Hamilton não esconde que tem confiança no trabalho realizado pela Mercedes nos testes da pré-temporada. "Se o pacote for bom mesmo, vamos fazer o nosso trabalho e não há motivos para não podermos andar na frente novamente", disse o inglês. "Sabemos que seremos fortes, não deixamos nenhuma pedra intocada. Fizemos absolutamente tudo que poderíamos fazer. Então, esperamos estar na frente, mas não podemos dizer que será o caso".

Junto com o companheiro Nico Rosberg, ele acumulou o maior número de voltas nos testes e viu o novo carro da Mercedes mostrar grande confiabilidade. O bom desempenho da dupla alçou a equipe ao posto de favorita para este ano, ao mesmo tempo em que surgiram apostas sobre qual seria o líder do time.

Segundo Hamilton, a ascensão da Mercedes não vai afetar seu relacionamento com o piloto alemão. "Nossa relação será a mesma, do início até o fim. Estamos competindo um com o outro desde os 13 anos de idade. Este é um campeonato mais forte, mas não vejo nenhum problema", avaliou.

Leia tudo sobre: hamiltonjogaresponsabilidadewilliamsformula 1automobilismo