Lucien Laurent, do anonimato à eternidade em 19 minutos

Meia-esquerda da seleção francesa na Copa do Mundo de 1930 foi o autor do primeiro gol da história dos Mundiais

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Segundo Laurent, gol marcado diante dos mexicanos foi comemorado de forma comum
Fifa/Reprodução
Segundo Laurent, gol marcado diante dos mexicanos foi comemorado de forma comum

Dezenove minutos do primeiro tempo. Lucien Laurent é lançado na ponta direita. Meia bastante discreto, pouco se esperava do jovem funcionário da Peugeout francesa e que jogava semiprofissionalmente pelo Sochaux, mas naquele dia 13 de julho de 1930, ele entraria definitivamente para a história do futebol mundial.

Um chute forte, em diagonal, sem chances de defesa para o goleiro mexicano Oscar Bonfiglio. Estava aberto o marcador no acanhado estádio Pocitos, em Montevidéu, antiga casa do Peñarol. O primeiro dos quatro gols que a seleção francesa imputaria aos mexicanos, que ainda fizeram um de honra com Carreño, na partida que simultaneamente ocorreria enquanto a bola rolasse para Bélgica e Estados Unidos.

Os primeiros jogos da Copa do Mundo de 1930 aconteceram antes mesmo que o campeonato tivesse começado oficialmente. No cartaz oficial da disputa, a data marcada para o pontapé inicial do torneio era o dia 15 de julho, mas as obras no estádio Centenário não foram concluídas a tempo.

A confusão organizacional daquele torneio fez com que o gol de Laurent por 40 anos fosse ignorado pela FIFA, mas a importância daquele chute foi ressuscitada em 1970. A entidade reconheceu o tento marcado pelo jovem meia-esquerda, que fazia apenas sua terceira partida com a camisa da seleção francesa, como o primeiro gol da história dos Mundiais. O lance 'destronou' o norte-americano Bert McGhee, autor do primeiro gol da seleção yankee na vitória sobre os belgas por 3 a 0, em partida disputada no estádio Parque Central, em Montevidéu, naquele mesmo dia 13 de julho.

Nem mesmo Laurent, no referido ato do gol, conseguiu compreender a importância daquele lance. Membro de uma época em que o futebol era um esporte completamente amador, ele se entregou apenas aos cumprimentos dos companheiros, recuou e naturalmente seguiu o curso da partida. Sequer um número havia nas costas do jovem meia, que marcara ali no estádio Pocitos o primeiro dos seus dez gols com a camisa da seleção francesa.

Naquela Copa de 1930, Laurent não voltaria a balançar as redes. A França tão pouco seguiria adiante no certame. Detalhes que pouco importavam. Todo mundo se lembraria daquele dia 13 de julho, data em que um jovem operário deixou de lado o anonimato para se transformar em uma lenda do torneio esportivo mais importante do planeta.

Ficha técnica

França 4 x 1 México - 13/07/1930 Estádio Pocitos de Montevidéu. Árbitro: Domingo Lombardi(URU). Público: 1.000. GOLS: (1-0) Laurent 19´, (2-0) Langiller 40´, (3-0) Maschinot 43´, (3-1) Carreno 70´, (4-1) Maschinot 87´. FRANÇA: Thepot, Chantrel, Delfour, Langiller, Liberati, Maschinot, Mattler, Pinel, Laurent, Villaplane, Capelle. Técnico: Raoul Caudron. MÉXICO: Bonfiglio, Carreno, Rafael Garza Gutierrez, Lopez, Mejia, Felipe Rosas, Manuel Rosas, Ruiz, Sanchez, Amezcua, Pérez. Técnico: Juan Luque de Serrallonga.

Detalhes da vida de Lucien Laurent

- Laurent defendeu a seleção francesa por mais cinco anos, mas não disputou o Mundial da Itália (1934) por se encontrar lesionado.

- Ele parou de jogar para integrar às forças armadas francesas durante a Segunda Guerra Mundial, onde foi capturado (1942) e mantido prisioneiro até o final do conflito.

- Laurent estabeleceu-se em Besançon, região leste da França, onde foi treinador de equipes amadoras e lá abandonou as atividades ligadas ao futebol definitivamente (1957).

- Quase meio século depois, aos 97 anos, ele morreu em um hospital de Besançon, em 2005.