Relatório do ONS não identifica causa da queda de energia em janeiro

O diretor-geral explicou, no entanto, que não tem como afirmar que essas descargas tenham sido a causa do acidente que atingiu mais de 3 Estados

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Atualmente, 63 mil quilômetros de linhas têm mais de 15 anos no Brasil
DANIEL DE CERQUEIRA - 12.6.2004
Atualmente, 63 mil quilômetros de linhas têm mais de 15 anos no Brasil

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, disse nesta quarta-feira (12) que o relatório enviado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre a queda no fornecimento de energia ocorrida em 4 de fevereiro não será conclusivo, no sentido de apontar os motivos da interrupção do serviço que afetou cidades das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte.

“O relatório não identificou nenhuma causa originada por falha de proteção, defeito em equipamento, falha de manutenção. Nada disso. O que temos identificado, em um trabalho feito pelo Ministério de Ciência e Tecnologia por meio do Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais], foram descargas atmosféricas na região da linha”, disse Chipp, após participar de audiência pública no Senado.

O diretor-geral explicou, no entanto, que não tem como afirmar que essas descargas tenham sido a causa da queda de energia que, segundo o ONS, atingiu pequena parte do Tocantins, pontos no Acre e Rondônia, e pontos localizados em cidades do Sudeste, Centro-Oeste e Sul. “Não se pode afirmar que foi descarga [atmosférica]. Mas também não se pode descartar isso, uma vez que não se tem nenhuma outra causa física identificada”, argumentou.

De acordo com o relatório, há possibilidades de o "chamuscamento" encontrado em uma das linhas de transmissão não ter relação com o evento. “Houve um chamuscamento de isolador em uma linha [transmissora] da Taesa. Não houve, no entanto, nenhuma indicação na linha da Intesa, que é [outra transmissora] próxima”, disse o diretor do ONS. Além disso, pode ter sido causado por uma descarga anterior.

No dia do apagão, a interrupção afetou cerca de 900 mil unidades consumidoras somente no Rio de janeiro. Também houve desabastecimento na Grande São Paulo e outras regiões de grande densidade. Na época, o Ministério de Minas e Energia disse que não sabia a causa, mas garantiu que o sistema não estava sob estresse. O ONS também descartou que o alto consumo tivesse provocado o problema.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave