Hidrelétricas terão que bancar população vítima de enchentes

Justiça determina que consórcios de Jirau e Santo Antônio são responsáveis por “tragédia”

iG Minas Gerais |

Usinas pagarão alimentos e moradia para vítimas da chuva em RO
Rodrigo Ersi/Divulgação - 11/0
Usinas pagarão alimentos e moradia para vítimas da chuva em RO

SÃO PAULO. A Justiça Federal determinou que os consórcios responsáveis pelas hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, em Rondônia, atendam imediatamente as necessidades básicas das populações atingidas pelas enchentes nas áreas acima de suas barragens. O auxílio deve ser prestado até que haja uma decisão definitiva sobre a compensação, indenização ou realojamento das famílias e enquanto durar a situação de emergência.

Também foi dado o prazo de 90 dias para que as empresas refaçam os estudos de impacto ambiental de suas barragens. A decisão, em caráter liminar, prevê multa de R$ 100 mil para por dia, para cada consórcio, em caso de descumprimento. Se os estudos não forem refeitos, estarão sujeitos à suspensão das licenças de operação.

De acordo com a decisão, do juiz federal Herculano Martins Nacif, da 5ª Vara Ambiental, as empresas têm dez dias para comprovar que estão auxiliando com moradia, alimentação, transporte, educação e saúde as famílias atingidas pelas enchentes. Os beneficiários serão identificados pela Defesa Civil em suas instâncias municipal, estadual e federal.

Com as cheias do Rio Madeira, mais de 10,5 mil pessoas tiveram de deixar suas casas em Rondônia. Nos últimos dias, a BR-364, que liga o Estado ao Acre, foi fechada para ônibus e automóveis por causa das inundações. O tráfego dos caminhões na região é precário, o que compromete o abastecimento de gás de cozinha, combustíveis e alimentos, entre outros produtos.

A ação civil pública, assinada pelo Ministério Público Federal, pelas Defensorias Públicas do Estado e da União e pela OAB-RO, aponta um “nexo de causalidade” entre as obras das duas hidrelétricas e o agravamento dos danos causados pela enchente do Rio Madeira.

Tragédia. Ao acolher o pedido, o juiz federal Herculano Martins destacou que o caso é de “excepcionalidade” e representa uma “verdadeira tragédia” para as populações atingidas em Rondônia.

“Parte da população de Porto Velho, incluindo-se as de seus distritos, já padecem com os efeitos diretos da inundação. Não escapam o setor de comércio, mais próximos ao leito do rio Madeira, assim órgão públicos, cujos prédios foram desativados, ou estão em via de se sujeitarem a essa medida, como é o caso desta Seção Judiciária, com três vias de acesso tomadas pelas águas, operando em níveis de alerta, e com água já avançando sobre seu suboslo”, relata o juiz Herculano.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave