Campos: Dilma põe problemas debaixo do tapete como FHC

Líder do PT retruca e diz que socialista “baixa o nível”

iG Minas Gerais |

Economia. Segundo Eduardo Campos, a crise econômica vai “pipocar” depois “em cima do povo”
Eduardo Braga/SEI - 11.03.2014
Economia. Segundo Eduardo Campos, a crise econômica vai “pipocar” depois “em cima do povo”

Brasília. O governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB) justificou ontem suas críticas à presidente Dilma Roussef e comparou a situação do atual governo com a do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) que, segundo ele, deixou a crise econômica “pipocar na população” em seu segundo mandato.

Ao dizer que Dilma, assim como FHC, coloca “tudo debaixo do tapete”, Campos não ficou sem resposta. Na mesma tarde, o líder do PT no Senado, Humberto Costa – que é pré-candidato ao governo de Pernambuco –, disse que Campos assumiu a tática de atacar sem propor alternativas e “baixa o nível” do debate.

Em entrevista após a inauguração de uma fábrica da Ambev, no município pernambucano de Itapissuma, ao lado do candidato à sua sucessão, o secretário estadual da Fazenda, Paulo Câmara, Campos disparou: “Não dá para botar tudo isso debaixo do tapete (os problemas da economia) como se fez durante o Plano Cruzado, e depois ver o pipoco em cima do povo; como se fez no final do primeiro governo Fernando Henrique, e quando passou a reeleição explodiu o problema”, avaliou.

Horas depois, as declarações fizeram o clima esquentar no Senado. Costa reclamou do tom do candidato do PSB e disse que a disputa eleitoral não pode virar “uma briga de rua”. Ele reclamou ainda que Eduardo Campos está desqualificando o debate e tirando proveito do grande volume de recursos enviados pelos governos Lula e Dilma a Pernambuco, sem reconhecer o que foi feito pelo governo federal.

“É uma fórmula anacrônica, que repete a mania de criticar sem propor, de investir contra um adversário político sem apontar um caminho alternativo e de condenar sem nada oferecer”, afirmou, em discurso na tribuna do Senado.

Costa foi interpelado pelo líder do PSDB, Aloysio Nunes (SP), dizendo que a “aula de civilidade” do líder petista seria melhor se fosse dada à própria presidente Dilma. “É melhor que vossa excelência faça essa pregação de boas maneiras para a presidente Dilma, porque foi ela quem começou, chamando a oposição de cara de pau e pessimista.”

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave