Cruzeiro joga mal, desperdiça pênalti e cai diante do Defensor

Equipe celeste segue sem vencer fora de casa na Libertadores; próximo compromisso volta a ser contra os uruguaios, no dia 20

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES |

Ricardo Goulart of Brazil's Cruzeiro fights for the ball with Matias Malvino of Uruguay's Defensor Sporting during a Copa Libertadores soccer game in Montevideo, Uruguay, Tuesday, March 11, 2014. (AP Photo/Matilde Campodonico)
Associated Press
Ricardo Goulart of Brazil's Cruzeiro fights for the ball with Matias Malvino of Uruguay's Defensor Sporting during a Copa Libertadores soccer game in Montevideo, Uruguay, Tuesday, March 11, 2014. (AP Photo/Matilde Campodonico)

Irreconhecível, time sem brilho, muito longe daquele que encantou em casa e havia se recuperado da péssima estreia na Copa Libertadores. Esse foi o Cruzeiro na noite desta terça-feira, na derrota por 2 a 0 diante do Defensor-URU, na terceira rodada do Grupo 5 da competição continental, no estádio Luis Franzini, em Montevidéu, no Uruguai.

Entregue ao adversário no segundo tempo, o time de Marcelo Oliveira sofreu com a boa atuação de dois jogadores do time adversário: o bom camisa 10, Arrascaeta, e o “matador” Felipe Gedoz, de nacionalidade brasileira, autor dos dois gols que garantiram os três pontos para os mandantes.

O Cruzeiro jogou com um homem a mais desde os 21 min. do segundo tempo e até teve a chance de empatar o jogo. Em um lance capital, Dagoberto, desperdiçou um pênalti, o que fez a Raposa perder ainda mais equilíbrio no jogo.

A não ser pela apreensão e forte marcação dos jogadores, fator normal por se tratar de um jogo entre equipes sul-americanas, o duelo entre uruguaios e brasileiros teve poucos ingredientes de um jogo de Copa Libertadores da América. Principalmente pelos poucos torcedores que compareceram ao estádio Luis Franzini.

Acanhada, a casa dos “Violetas” sequer tinha ares de um “caldeirão”, muito pelo fato de o Defensor ser de menor expressão em relação aos tradicionais Peñarol e Nacional, e ter uma torcida menor. Atualmente, o que diferencia o “pequeno” dos “grandes” uruguaios é o momento, já que o Defensor é a equipe de Montevidéu que vive a melhor fase na Libertadores.

Atual campeão brasileiro, o Cruzeiro até fez um bom primeiro tempo diante do Defensor, vice-campeão uruguaio na temporada 2012/2013, com boas chances de abrir o placar. Artilheiro da Raposa na Libertadores, Ricardo Goulart era o melhor “homem de frente” do time, seguido por Dagoberto, que perdeu o pênalti.Marcelo Moreno, apagado, pouco ajudou a Raposa, assim como o craque Everton Ribeiro, totalmente apagado na partida.

O primeiro gol do Defensor foi anotado aos 18 min., do segundo tempo, após ótima cobrança de falta de Gedoz. Fábio sequer se mexeu: 1 a 0.

O segundo tento uruguaio saiu após uma belíssima jogada do destaque Arrascaeta, que deu dois chapéus nos marcadores celestes e colocou Gedoz na cara do gol: 2 a 0.

“O primeiro tempo jogamos melhor, tivemos três oportunidades e o controle do jogo. Erramos e eles chegaram aos gols. O Pênalti foi o lance crucial, se faz o gol seria diferente. Mas não tem que crucificar ninguém, o adversário é bom. Nos abalamos e isso gerou um novo gol. Vamos trabalhar para melhorar nas próximas rodadas”, avaliou  Marcelo Oliveira após a partida.

O próximo jogo do Cruzeiro na Libertadores é, novamente, contra o Defensor, no dia 20 de março, no Mineirão, pela quarta rodada da fase de grupos.

 

Leia tudo sobre: cruzeiroraposadefensorlibertadores