Inquérito é encerrado e ex-marido de funcionária pública segue preso

Investigação apontou que companheiro teria contratado quatro pessoas para mata Andréa Araújo de Almeida, de 34 anos, por causa de uma briga por pensão

iG Minas Gerais | CAMILA KIFER |

Andréa voltava para casa quando foi abordada por possíveis sequestradores
Reprodução EPTV / Michel Diogo
Andréa voltava para casa quando foi abordada por possíveis sequestradores

Polícia Civil de Poços de Caldas, no Sul de Minas, encerrou o inquérito do caso da funcionária pública Andréa Araújo de Almeida, de 34 anos, desaparecida desde 15 de janeiro deste ano. A informação foi divulgada nesta terça-feira (11) durante coletiva. As apurações dão conta de que o empresário João Batista dos Reis,  de 54 anos, ex-marido da funcionária pública, teria contratado quatro pessoas para executar a ex-companheira.

As investigações da equipe da Policia Civil coordenada pelo delegado Hernanni Perez Vaz apontam que o suspeito havia contratado o traficante Ednilson Martins de Souza, conhecido como Paulista, de 37 anos, e sua esposa Liliane Gonçalves da Silva, de 29, para que eles encontrassem dois pistoleiros. O traficante teria entrado em contato com Luciano Monteiro Santos, o Galego, de 39 e Márcio da Silva Santos, o Negão, de 29, ambos baianos, para executar o crime.

A informação é que o ex-companheiro de Andréa tenha mandado matá-la por causa de um processo em tramitação na justiça. Na ação, a vítima teria pedido R$ 10 mil mensais de pensão.     

De acordo com o inquérito, a dupla abordou o carro da funcionária pública na rua Bolívia, no bairro Jardim Quisisana, a caminho de casa. O veículo foi deixado no local, já o celular e a bolsa de Andréa localizados em uma plantação da fazenda Manacá, na zona rural, alguns dias depois.

No dia 23 de janeiro, um crânio e parte de uma ossada humana foram encontrados em meio a um cafezal localizado distrito de Palmeiral, município de Botelhos, a cerca de dois quilômetros da área onde o celular e a bolsa da vítima foram achados. Enviado para o Instituto Médico Legal de Belo Horizonte, ficou confirmado que o crânio era de Adriana.

A arma foi utilizada no crime - um revólver calibre 38 - foi encontrada na casa de Luciano na Bahia. Uma equipe da Polícia Civil de Minas viajou para o Estado vizinho, onde conseguiu prender os dois suspeitos.

Todos os cinco estão detidos e vão cumprir prisão temporária e serão indiciados por homicídio qualificado, sequestro e ocultação de cadáver. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave