Moda-Maringá conta com força das arquibancadas contra o Sada Cruzeiro

Equipe do sul do país tem a melhor média de público da Superliga masculina e conta com seus torcedores para empatar a série das quartas de final

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Ginásio Chico Neto recebeu bom público durante torneio feminino
IVAN AMORIM
Ginásio Chico Neto recebeu bom público durante torneio feminino

O amor de uma torcida pode ser medido pela presença em todos os momentos, bons ou ruins. Em relação à torcida do Moda-Maringá-PR, que possui a maior média de público na Superliga masculina, o apoio é incontestável. O ginásio, com capacidade para 5.500 pessoas, dificilmente costumar ter lugares vazios quando o time do interior paranaense entra em quadra.

Nesta quinta-feira, quando o Maringá estiver jogando contra o Sada Cruzeiro, pelas quartas de final, a expectativa é de ginásio lotado para incentivar o time a empatar a série melhor de três. Se perder, o time sulista está fora da competição.

"Com certeza uma das nossas maiores forças vem da arquibancada. É impressionante o apoio e o carinho que eles nos dão. Temos a melhor média disparada de público e isso nos dá uma grande motivação para fazer o melhor a cada jogo. Esperamos corresponder a tudo que eles esperam", comenta o oposto Lorena, um dos destaques da equipe, que estreia no torneio.

O fato de ser um dos times novatos na Superliga poderia colocar em dúvida a presença maciça do público. O primeiro ano de projeto pode render dúvidas nos torcedores. Em algumas situações, a maior presença acontece somente quando o time se afirma no cenário nacional e mostra ter qualidade para seguir adiante.

No entanto, em Maringá, o apoio foi irrestrito desde a primeira rodada. "Lembro de um jogo, agora no Carnaval, em um dia de semana e com horário não muito bom, contra o Montes Claros. Eu pensava que não daria muita gente. Até cheguei a comentar com alguns companheiros de time que achava que o ginásio não ficaria tão cheio como estávamos acostumados. Acabei me enganando. Quando o jogo começou, não tinha mais lugar para ninguém sentar. Fiquei impressionado. Ali, não tive mais nenhuma dúvida sobre o valor que essa torcida tem", elogia Lorena.

Campanha irregular mostrou apoio incondicional O oposto se lembra bem da sua época de Montes Claros, na temporada 2009/2010, quando o time, estreante na Superliga, chegou na final, perdendo a decisão para o Cimed-SC. A torcida do Pequi Atômico mostrou também ser fanática, empurrada por uma bela campanha da equipe do Norte de Minas.

"Foi diferente porque a torcida veio junto com as nossas vitórias. Neste ano, tivemos vários problemas, muitos altos e baixos. Quando o time começava a engrenar, a Superliga parava. Não disputamos Estadual como muitos times. Mesmo com essa irregularidade, o Chico Neto esteve sempre cheio, mostrando que o apoio deles ia muito além dos resultados. Nosso time tinha qualidade para se classificar em uma posição bem melhor do que a oitava colocação em que ficamos. Sou muito crítico e acredito que mais vitórias poderiam ter vindo, se não fossem alguns vacilos", lamenta Lorena.

Com o foco em fazer o melhor, ele espera inflamar a torcida com seus poderosos ataques. "O mínimo que podemos fazer é cada um dar o seu melhor a todo momento. Temos que fazer tudo que estiver ao nosso alcance para responder à altura o que a torcida fez pela gente. Eles estão de parabéns e temos que retribuir o fato da arquibancada ter ficado cheia durante toda a Superliga. Precisamos ter a cabeça no lugar e diminuir os erros para vencer e empatar a série diante da bela equipe do Cruzeiro", destaca o jogador.

Estrutura contribui

Apesar de não ser um dos centros mais fortes do vôlei nacional, Maringá recebeu importante apoio da prefeitura nesta temporada quando o assunto é voleibol.

A estrutura do ginásio Chico Neto ajuda para que a média de público mantenha-se elevada. Um dos diferenciais é o ambiente climatizado por meio de ar condicionado, dando um conforto não muito comum em outros ginásios brasileiros.

O local foi, ainda, a sede da Copa Brasil masculina e feminina, recebendo várias equipes de alto nível, que elogiaram bastante a recepção do público de Maringá. "Só tenho elogios para tudo que vimos de perto na cidade. O ginásio tem uma estrutura diferenciada e as pessoas nos receberam super bem. A cidade respira vôlei e tem tudo para crescer ainda mais no cenário nacional", afirma Spencer Lee, técnico do Banana Boat-Praia Clube.

Lorena indica ainda o fato de muitas famílias estarem presentes a cada jogo, deixando claro que o ambiente é tranquilo para pessoas de qualquer idade acompanharem uma partida. "A torcida é diferente de algumas outras. Todos são muito educados e sabem que ganhar e perder faz parte da partida. Eles reconhecem o nosso esforço e nunca apelam para xingamentos ou coisa parecido. Eles estão de parabéns por tudo que são e por tudo que fizeram", concluiu o jogador.