Ainda não há definição sobre funcionamento do comércio, diz prefeitura

Lojistas desejam abrir normalmente em dias de jogo da Copa do Mundo

iG Minas Gerais | Pedro Grossi |

Uma das estratégias das cidades que vão sediar jogos da Copa do Mundo para minimizar os problemas de mobilidade urbana é decretar feriados municipais em dia de partida, o que aliviaria o trânsito e facilitaria o fluxo de turistas e torcedores durante o evento. Essa solução, no entanto, desagrada os lojistas de Belo Horizonte, que esperam poder funcionar – e faturar – nos dias de jogos.

A Lei Geral da Copa (12.663/12) estabelece que, em dias de jogos do Brasil, caberá à União decidir se decreta ou não feriado nacional. Caso seja decretado feriado, o comércio precisa de respaldo de uma lei municipal e de uma convenção coletiva entre patrões e empregados para poder abrir as portas. A lei também permite que Estados e municípios decretem feriado quando forem sede de partidas de outras seleções.

“Estamos trabalhando para que não seja decretado feriado municipal. Nossa intenção é que o comércio funcione normalmente, até porque o turista que vai para o jogo precisa dessa estrutura antes e depois da partida”, explica o vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Anderson Rocha. Por meio da assessoria de imprensa, a Prefeitura de Belo Horizonte informou que ainda não há nenhuma definição sobre a questão.

Protestos

Apesar das manifestações de junho do ano passado, que, segundo estimativas do comércio, causaram prejuízos de R$ 75 milhões aos comerciantes da capital durante a Copa das Confederações, os varejistas de Belo Horizonte estão com boas expectativas para a Copa do Mundo. “Confiamos no planejamento da Polícia Militar, e considero que as eventuais manifestações não terão tanta adesão popular, já que as pessoas ficaram com medo da violência em que se transformaram os protestos”, afirma Borges.

A Polícia Militar apresentou, na manhã desta terça-feira (11), na sede da CDL-BH, parte do seu plano de segurança para a Copa do Mundo. Segundo o coordenador do Núcleo de Operação e Inteligência para a Copa do Mundo, coronel Wilson Chagas, 11 mil homens vão trabalhar na segurança do evento, 5.500 deles trazidos de bases no interior exclusivamente para o evento. Dona de uma loja de roupas femininas na região da Savassi, Marta Magalhães está entre a expectativa de vender mais e a apreensão pela falta de segurança. “Ficamos apreensivos. A gente sabe que é uma grande oportunidade de negócio, mas ficamos com medo. A policia precisa mostrar qual é o seu planejamento e garantir que teremos segurança para trabalhar durante a Copa”.

Liberação

Tramita na Câmara Municipal de Belo Horizonte um projeto de lei, de autoria do vereador Marcelo Álvaro Antônio (PRP-MG), que estende em mais um ano o prazo para a entrega de empreendimentos hoteleiros que estão sendo erguidos em Belo Horizonte com regras especiais de construção. Em 2010, a prefeitura aumentou o potencial construtivo de projetos de hoteis e hospitais que visassem à Copa do Mundo.

Uma das exigências da prefeitura para liberação seria a entrega dos empreendimentos até março deste ano, sob pena de multa. Dos 73 projetos aprovados nessa nova lei de uso e ocupação, 54 (73,9%) estão atrasados ou foram cancelados. O secretário extraordinário municipal para a Copa do Mundo, Camillo Fraga, diz que a prefeitura atualmente está vistoriando as obras. As multas pelos atrasos variam de acordo com a região do empreendimento. (PG)

Proteção

A Polícia Militar de Minas Gerais diz que já está agindo preventivamente e identificando algumas pessoas para evitar os confrontos que transformaram a avenida Antônio Carlos, uma das principais vias de acesso ao Mineirão, em praça de guerra.

A expectativa dos comerciantes é que o evento, em vez de trazer prejuízos, como no ano passado, incremente as vendas. “Ano passado quebraram meu posto todo, mas estou confiante que este ano será diferente”, diz a empresária Maria Aparecida Moreira. Apesar da promessa da polícia, donos de concessionárias na via estão instalando barreiras físicas, placas de aço  e câmeras para conter os manifestantes. (PG)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave