Estrangeiros na Copa podem causar mutação no vírus da dengue

Revista científica alerta estrangeiros e brasileiros sobre risco de surto de dengue em 2014. Sanitarista afirma que turistas podem trazer novas variações da doença

iG Minas Gerais | Da redação |

Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue: Fortaleza, Natal e Salvador têm, historicamente, picos de dengue justamente no período da Copa
Google imagem/arquivo
Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue: Fortaleza, Natal e Salvador têm, historicamente, picos de dengue justamente no período da Copa

São Paulo - Um artigo publicado na consagrada revista científica "Nature" alertou brasileiros e estrangeiros para o perigo de um surto de dengue durante o período da Copa do Mundo no Brasil.

"Aqueles que estiverem no Brasil terão mais do que se preocupar que o preparo de seus melhores goleadores: a dengue pode ser um problema significativo em alguns dos locais do torneio", escreveu o sanitarista Simon Hay, da Universidade de Oxford, no texto “A Febre do Futebol Pode Ter uma Dose de Dengue”, em tradução livre, publicado no fim do ano passado.

Segundo o especialista, o alerta tem duas frentes: vale tanto para os cerca de 500 mil estrangeiros  - desinformados - que devem aterrissar por aqui, como para os brasileiros, que poderão vir a conhecer novas variações dos vírus surgidas dos contatos com quem vem de fora.

Hay alertou que três das 12 cidades-sede dos jogos podem sofrer com a dengue durante o período e que medidas preventivas precisam ser tomadas. As cidades que preocupam são Fortaleza (CE), Natal (RN) e Salvador (BA), todas no Nordeste do país.

Segundo o sanitarista, o percentual de casos de dengue registrados entre 2001 e 2013, nos meses de junho e julho (quando ocorrerá a Copa) é de 9.9% em Fortaleza, 13,5% em Natal, e 10,1% em Salvador - os mais altos do país neste período. 

Hay diz que, apesar dos brasileiros já conviverem com a dengue e saberem como se prevenir, a doença é particularmente desconhecida para os europeus.

E os visitantes podem introduzir novos genótipos de dengue aos quais os brasileiros tem imunidade baixa, assim como a união de grandes populações não imunes pode impulsionar a transmissão em caso de surto.

“Isto significa que a Fifa, as autoridades brasileiras e os patrocinadores da Copa do Mundo devem usar sua influência e experiência para comunicar aos visitantes o risco e as medidas de proteção que devem ser tomadas”, diz.

Pesquisa

Ele diz que apesar de ser difícil prever como a doença se comportará em 2014, usando os dados dos anos anteriores é possível fazer projeções.

"Para as áreas no em torno de nove estádios da Copa, os dados mostram que a principal temporada de dengue terá passado antes da Copa do Mundo, que será realizada em junho e julho. Infelizmente, o risco permanecerá alto durante os meses do torneio no Nordeste do país", afirmou Simon Hay.

Ele recomendou que as autoridades brasileiras implementem um controle agressivo de vetores em abril e maio, particularmente em torno dos estádios, para diminuir o número de mosquitos transmissores da dengue.

 

 

Leia tudo sobre: Ministério da Saúdedengueprevenção