Autor de 'Eu Me Chamo Antônio' participa de noite de autógrafos em BH

O publicitário Pedro Gabriel conversa com leitores de seu livro que reúne quase cem frases em guardanapos

iG Minas Gerais | Letícia Silva |

Pedro Gabriel ficou nacionalmente conhecido após a criação da página
Reprodução
Pedro Gabriel ficou nacionalmente conhecido após a criação da página "Eu Me Chamo Antônio"
Imagine a cena: uma mesa de bar, você sozinho e com um monte de pensamentos soltos na cabeça para organizar. Foi nessa situação que o publicitário Pedro Gabriel pegou um guardanapo e uma caneta e esboçou um desenho acompanhado por uma frase naquele pedaço de papel. Nada rebuscado ou muito trabalhado: apenas traços simples de alguém que precisava externalizar uma “bagunça” interior. Depois deste dia, mais precisamente em outubro de 2012, guardanapos e caneta se tornaram mais do que meros objetos para o publicitário: viraram a lousa e pincel com os quais ele expressa sentimentos em forma de arte. “Eu estava voltando do trabalho depois de um dia cansativo passei num bar para tomar um chopp. Eu comecei a rabiscar um guardanapo como forma de desabafar. Aí eu gostei e fotografei. Depois eu vi que tinha muitos e resolvi fotografar todos, para ter o registro. Aí eu criei a página e resolvi colocar todas lá”, explica Pedro. Atualmente, sua página no Facebook tem mais de 640 mil seguidores.   Demasiado sucesso fez com o que Pedro fosse procurado por uma editora, que queria transformar seus guardanapos em livros. “Eles tinham interesse de organizar os guardanapos e criar algo para que as pessoas tenham um contato mais real com eles. Na internet, as pessoas não podem tocar, elas têm um contato apenas visual”. Para o livro, 90% das criações são inéditas, ou seja, a publicação traz algo além do que seus seguidores leram no Facebook e no Instagram. “E outra coisa bacana é que o livro tem duas leituras possíveis. Você pode abrir em uma página qualquer e ler ou então ler na sequência”, explica o escritor, que afirma que um novo livro só será publicado se tiver algo o diferencie do primeiro. “Material pro segundo eu tenho. E desejo eu tenho muito. Mas eu queria que fosse uma coisa pensada, tenho muito material guardado, mas eu queria fazer algo diferente, para não ficar a mesma coisa do primeiro. E tem que ser uma coisa planejada. Não é porque o primeiro deu certo que tem que fazer outro do mesmo jeito”, pontua.   A fórmula usada por Gabriel em suas publicações é o que mais atrai seguidores nas redes sociais. Não é preciso ir muito profundamente nos dados de compartilhamentos do Facebook, por exemplo, para saber que 'frases de efeito' são líderes de postagens. Os guardanapos de “Eu Me Chamo Antônio” têm ainda o diferencial de trazer frases bonitas e “cults”, carregadas de significado e com uma estética diferenciada. “As frases que são mais autoajuda são as mais curtidas. São as que geram mais compartilhamento. As coisas que estão ali, nos guardanapos, são sentimentos que todo mundo passou ou vai passar um dia. A mensagem tem que ser impactante”, justifica. Outro tipo de postagem comum nas redes sociais são as chamadas “indiretas”, que é quando alguém posta algo generalista, mas que está visivelmente direcionado a alguém. Segundo Pedro, quanto mais “alfinetante” uma frase é, mais sucesso ela faz. “Quando eu crio uma frase, foi uma coisa que eu vivi, ouvi ou li. É tudo real, mas eu dou um floreio. Sem dúvida todas devem ser usadas como indireta”, brinca.     RAPIDINHAS Qual é a frase mais curtida da página? Primeiro o encanto, depois o desencanto, por fim cada um pro seu canto.   A frase que você mais gosta? Plagiou a tristeza e chorou copiosa.   Quem é Antônio? O personagem Antônio tem muito das coisas que eu vivi. Não deixa de ser um alter ego. Encontrei nele uma forma para me expressar, já que sou muito tímido. O Antônio nasceu primeiro com cílios, depois lágrimas... Depois fiz um casaco e achei legal. Ele foi ganhando forma.   Como foi a seleção de guardanapos para o livro? A seleção pro livro foi assim: eu já tinha criado uns 600 guardanapos. Eu levei uns 300 e eles selecionaram alguns. Aí depois eu selecionei 95 dessa primeira seleção e eles foram para o livro.   Você pretende sair do guardanapo e usar outro material? Eu comecei a fazer aula de xilogravura. Muita gente me pede para colocar os poemas inteiros, coisas maiores. Pensei em fazer uma mistura de guardanapos com textos maiores. Estou testando outras plataformas...  
  • AGENDA
  • O livro “Eu Me Chamo Antônio” foi lançado em novembro de 2013. Na próxima quinta-feira (13), Pedro fará uma sessão de autógrafos e conversará com os leitores na livraria Leitura, do BH Shopping, a partir das 19h30
  •  

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave