Cruzeiro quer justificativas do Defensor por alto preço de ingressos

Encontro entre presidente dos clubes está marcado para esta segunda-feira à noite, em Montevidéu, capital do Uruguai

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES |

Apesar de confirmar a negociação, Alexandre Mattos ainda não a dá como certa
Washington Alves/VIPCOMM
Apesar de confirmar a negociação, Alexandre Mattos ainda não a dá como certa

A diretoria do Cruzeiro mostrou grande insatisfação com o comportamento de membros da cúpula do Defensor (URU), adversário da Raposa nesta terça-feira, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América.

O time de Montevidéu definiu o valor dos ingressos para os visitantes em 2.200 pesos uruguaios por bilhete, valor esse que equivale a quase R$ 233.

O diretor de futebol cruzeirense, Alexandre Mattos, um dos membros da delegação celeste no Uruguai, promete fazer questionamentos ao presidente do Defensor sobre o alto preço dos ingressos para os torcedores estrelados.

“Vamos questionar bastante a direção do Defensor por esse preço abusivo para os torcedores do Cruzeiro. Está no regulamento que o time mandante é o responsável por definir o preço dos ingressos e nós respeitamos isso. Mas, em Minas Gerais temos o Ministério Público que estipulou normas e definiu regras em cerca de 2500 lugares para visitantes. No Mineirão temos que cobrar sempre o mesmo preço que aplicamos em ingressos para o nosso torcedor”, comparou o dirigente em entrevista à Rádio Itatiaia.

Na companhia do presidente Gilvan de Pinho Tavares, Mattos jantará na noite desta segunda-feira com o mandatário do Defensor.

“O Cruzeiro é muito grande para ficar nessa picuinha. Temos um jantar com o presidente do Defensor e vamos saber dele o que aconteceu e o motivo desses preços altos. Esperamos sair com muita alegria e com mais uma vitória aqui do Uruguai”.

O valor dos ingressos que o Defensor Sporting Club cobra para seus torcedores é bem inferior ao aplicado para os cruzeirenses.  No setor “25 de Julho”, atrás de um dos gols do estádio Luis Franzini, palco do jogo desta terça, o preço do ingresso é de 100 pesos uruguaios, equivalente a pouco menos de R$ 11, para os torcedores comuns. Os sócios pagam 50 pesos, a metade do preço.

Na área designada como “Punta carretas”, nas arquibancadas laterais, cobra-se 200 pesos (pouco mais de R$ 20) para os torcedores comuns. Sócios do clube uruguaio pagam os mesmos 50 pesos do espaço “25 de Julho”.

No único jogo em casa, até aqui, na Copa Libertadores, o Cruzeiro cobrou dos torcedores do Universidad de Chile (CHI) R$ 120 por uma cadeira no setor superior do Mineirão. O ingresso mais barato para o torcedor comum cruzeirense custou R$ 50, os sócios pagaram R$ 35. O bilhete mais caro teve o preço de R$ 170.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposareclamapreçosingressosdefensoruruguai