Tradição africana à sombra de um ídolo

Time deixa crise com o ídolo Eto’o de lado para chegar a sétima Copa, maior participação entre africanos

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

“Futebol é sonho, então, vamos sonhar. Camarões já tem algumas proezas em Copas do Mundo, temos que lembrar disso.” - Samuel Eto’o, atacante do Camarões
Lionel Cironneau/AP
“Futebol é sonho, então, vamos sonhar. Camarões já tem algumas proezas em Copas do Mundo, temos que lembrar disso.” - Samuel Eto’o, atacante do Camarões

O futebol alegre e ofensivo que levou o time às quartas de final da Copa de 1990 já não é mais o mesmo. O país aposta agora na força física e no o talento do já veterano Samuel Eto’o, que terá 33 anos no Mundial. O jogador do Chelsea é um verdadeiro líder, capaz de motivar o grupo, mas também de plantar discórdias.

Maior artilheiro da história da seleção camaronesa, com 55 gols, o jogador se desentendeu com a federação do país, que o puniu por 15 partidas por instigar uma greve em 2011, provocando o cancelamento de um amistoso contra a Argélia. Em 2012, quando os desentendimentos pareciam resolvidos, Eto’o se negou a jogar contra Cabo Verde, acusando a federação de falta de profissionalismo.

As rusgas extracampo também fez o atleta até denunciar um suposto plano para envenená-lo na concentração. No ano passado, à pedido do presidente do país, Paul Biya, ele resolveu adiar a aposentadoria em partidas internacionais e resolveu ajudar a seleção nas Eliminatórias da Copa não, sem antes, causar mais polêmica aos reclamar que os companheiros não lhe passavam a bola.

Mas, diante de tantos percalços, eis que o futebol prevaleceu. Com os dois gols marcados na classificatória, Eto’o alcançou a façanha de ter balançado as redes em quatro eliminatórias seguidas, sendo o primeiro jogador de Camarões a conseguir esse feito.

A classificação veio no mata-mata diante da Tunísia, qualificando os Leões Indomáveis para a sétima participação em Mundiais, um recorde entre as seleções africanas. São 20 jogos em Copas até aqui. Mesmo com uma campanha melancólica em 2010, quando perdeu os três jogos da primeira fase (Japão, Dinamarca e Holanda), Camarões ostenta a máxima de único time da África a ser eliminado de uma edição do torneio mesmo sem sofrer nenhuma derrota. Isso aconteceu em 1982 – foram três empates em três jogos.

Para 2014, os camaroneses tentam nova façanha. “Com certeza, estamos numa situação em que vamos entrar como azarões”, admitiu o técnico Volker Finke.

Recordista. O lendário atacante Roger Milla é o mais velho jogador a disputar uma partida de Copa, com 42 anos e 39 dias, em jogo contra a Rússia, em 1994. E mais: ele fez o gol camaronês naquele jogo, se tornando também o jogar mais velho a marcar em Mundiais. O feito é tão marcante, que muitos se esquecem que Camarões perdeu aquele jogo por 6 a 1. Roger Milla ostenta ainda o título de maior artilheiro africano da história das Copas, com cinco gols.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave