Williams mostra ser lugar dos brasileiros

Escuderia inglesa foi a que contou com maior número de pilotos verde-amarelos em toda sua história

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Massa foi bem no testes da pré-temporada no circuito do Bahrein
Hasan Jamali/ap - 28.2.2014
Massa foi bem no testes da pré-temporada no circuito do Bahrein

Uma das grandes novidades para a temporada da Fórmula 1, que está prestes a começar, envolve o interesse dos brasileiros, tão apaixonados pela modalidade. Depois de oito anos defendendo a escuderia italiana Ferrari, o brasileiro Felipe Massa fará sua estreia pela Williams, equipe britânica que conta com maior número pilotos brasileiros em sua história. Nomes de relevância da modalidade já passaram pela equipe, como Nelson Piquet, além de outros que não obtiveram o mesmo êxito como Antonio Pizzonia, Rubens Barrichello e Bruno Senna. Quem também marcou presença na escuderia foi Ayrton Senna, que morreu em 1993, defendendo a equipe. Neste ano, serão completados 20 anos de ausência do piloto, que até hoje deixa grandes saudades. Depois de sua morte, o Brasil não conquistou mais nenhum título mundial e sente a falta de vitórias sucessivas na modalidade. A Williams terá, ainda, como pilotos de testes o também brasileiro Felipe Nasr, além da britânica Susie Wolff, ex-funcionária da equipe e mulher do diretor executivo da Mercedes, Toto Wolff. Apelidada, por motivos claros, como a 'musa dos boxes', ela será a primeira piloto mulher a participar da F-1 desde 1992, quando a italiana Giovanna Amati fez três treinos oficiais pela Brabham. Wolff está garantida nos treinos livres dos GPs da Inglaterra (Silverstone) e da Alemanha (Hockenheim). Já o contrato de Nasr prevê a participação em cinco treinos livres. A impressão da maior promessa do automobilismo brasileiro foi ótima nos primeiros treinos, ficando 0,5 segundos mais lento do que Massa e apenas 0,2 segundos comparado ao desempenho de Valtteri Bottas, o segundo piloto da equipe. O brasileiro está garantido como terceiro piloto da equipe. Velha parceria. Massa terá, ainda, a presença do engenheiro inglês Rob Smedley, que trabalhou ao seu lado durante os oito anos na Ferrari. Na Williams, Smedley não exercerá a função de engenheiro. Ele será o responsável por avaliar a performance dos carros da equipe, função recém-criada pela direção. A manutenção da parceria motiva o brasileiro, que teve seu melhor momento em 2008, quando ficou a um ponto do inédito título mundial, logo atrás do inglês Lewis Hamilton, na época da McLaren. Em 2009, Massa sofreu um grave acidente, que afetou seu desempenho nos anos seguintes.

Felipe Nasr também vai estar na GP2

A presença do brasileiro Felipe Nasr como piloto de testes da Williams foi confirmada no último dia 22 de fevereiro, quando o brasiliense não perdeu tempo e já foi para os treinos, no autódromo onde vai acontecer o GP do Bahrein. Antes do acerto, Nasr por muito pouco não assinou como piloto titular da Sauber, equipe que revelou Felipe Massa há dez anos. A renovação da escuderia com o mexicano Esteban Gutierréz fez o brasileiro buscar outra opção dentro do circuito. A função de Nasr não será limitada à Williams. Ele continuará pilotando na GP2, pela equipe inglesa Carlin. Esta será a terceira temporada seguida de Nasr na categoria.

Trajetória

DNA. Felipe Nasr vem de uma família que tem o ronco dos motores na veia. Ele é filho de de Samir Nasr e sobrinho de Amir Nasr, sócios de equipe de competição que reúne participações na com passagens por categorias Fórmula 3 Sul-Americana, Stock Car e Brasileiro de Marcas. Categorias. Depois do kart, Nasr pilotou na F-BMW Europeia, onde conquistou o título de 2009.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave