Informação escassa na estreia

Teve gente que pegou linha errada e teve que dar volta no centro; sinalização também foi problema

iG Minas Gerais | Bárbara Ferreira/ Jáder Rezende/ Jhonny Cazetta/ Joana Suarez/ Luciene Câmara |

Posso Ajudar? 
De acordo com a BHTrans, 330 monitores estavam espalhados pela cidade orientando os passageiros do novo sistema
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Posso Ajudar? De acordo com a BHTrans, 330 monitores estavam espalhados pela cidade orientando os passageiros do novo sistema

Certa de que iria descer em um ponto próximo a seu emprego, a vendedora Telma Aparecida Bruno, 42, que trabalha na Feira dos Produtores, no bairro Cidade Nova, na região Nordeste da capital, embarcou em um dos primeiros ônibus do Move, ontem, na Estação São Gabriel. O problema é que ela pegou a linha direta (83D), que só para no centro da cidade, ao invés de acessar a linha paradora (83P), que tem pontos desembarque ao longo da avenida Cristiano Machado.

“Me disseram que havia um ponto perto da feira e agora vou ter que ir ao centro para depois voltar. Me arrependi amargamente de ter embarcado nessa canoa furada”, reclamou. A falta de informação foi um dos problemas mais destacados pelos usuários.

Nos pontos do Move na Savassi muitos motoristas dos ônibus não sabiam onde parar. A falta de sinalização confundiu também os passageiros. Havia só o número do ônibus (82) nas placas com os números dos demais coletivos. Na avenida dos Andradas, entre a rua do Caetés e a Tupinambás, não há sequer numeração. Em alguns pontos, havia poucos agentes da BHTrans – eles poderiam reduzir a confusão. Segundo a BHTrans, 330 monitores trabalharam ontem.

Contratempos como painéis informativos provisórios e estação em obras devem continuar nos próximos dias. Já os outros problemas detectados ontem, a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) promete sanar até amanhã, quando o Move começa a operar para um público maior. “Começamos num sábado justamente para sentir como seria e ter tempo de fazer ajustes. São 30 técnicos trabalhando”, disse o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar.

Nem todo mundo está tão otimista. “Hoje foi tranquilo porque não tem trânsito, mas não sei como vai ser nos dias úteis”, afirmou o motorista do Move Waldemar Santos, 38.

Longa espera

Outro problema que pode se agravar em dias úteis é o intervalo entre as viagens. Mesmo sendo um sábado de trânsito tranquilo, a reportagem chegou a esperar 40 minutos pelo ônibus na Savassi no fim da tarde. A promessa da prefeitura era que o intervalo fora dos horários de pico fosse de 20 minutos, nas estações.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave