“A possibilidade de conflito armado na Ucrânia é real”

Angelo Segrillo Professor de história contemporânea da USP e Autor de “O Declínio da URSS: um estudo das causas”

iG Minas Gerais | Andréa Juste |

Angelo Segrillo Professor de história contemporânea da USP Autor de “O Declínio da URSS: um estudo das causas”
Francisco Emolo/Jornal da USP
Angelo Segrillo Professor de história contemporânea da USP Autor de “O Declínio da URSS: um estudo das causas”

Em entrevista para , especialista explica a O TEMPO situação atual da Ucrânia, que teve a região da Crimeia invadida por forças militares russas e que corre o risco de perder parte de seu território para o país vizinho, e fala ainda sobre a influência internacional na crise.

Qual o contexto histórico da crise entre Ucrânia e Rússia? Explique a questão cultural e econômica da região. Originalmente, os russos e ucranianos (junto com os bielorrussos) eram um povo só no chamado Estado Kievano, que existiu dos séculos IX ao XIII. Isso leva a uma aproximação e cautela dos ucranianos em relação aos russos. Ucrânia e Rússia eram repúblicas da antiga União Soviética (URSS). Com o fim da URSS, a Ucrânia se tornou independente, mas cerca de 18% de sua população é de origem étnica russa, e eles querem manter seus laços tradicionais com a Rússia, enquanto muitos ucranianos preferem se aproximar da União Europeia. Os dois lados não têm conseguido conviver bem com suas diferenças do ponto de vista institucional e democrático.

Quais seriam os principais impactos da crise com a Rússia tanto na atualidade quanto futuramente?

Como não estão conseguindo conviver democraticamente com suas diferenças, há uma possibilidade real de que a parte russa procure sair da Ucrânia e se juntar à Rússia. Como tanto o Ocidente quanto a Rússia estão influenciando os dois lados em direções diferentes, essas divisões internas da Ucrânia podem levar à tensões entre Ocidente e Rússia.

Considerando o referendo de autonomia da Crimeia, marcado para o dia 16 de março, como essa separação poderia afetar a Ucrânia e beneficiar a Rússia? Para a Ucrânia, seria terrível perder uma parte tão importante de seu território. Para a Rússia, há uma dubiedade. Ao afastar os ucranianos de origem étnica russa do país, a Rússia perderá a influência interna na Ucrânia que é exercida por meio desses cidadãos ucranianos de origem étnica russa.

Estados Unidos e União Europeia já começaram a se movimentar, oferecendo empréstimos à Ucrânia e anunciando sanções contra a Rússia. De que forma essas medidas poderiam prejudicar essas próprias potências (EUA e UE)? Os EUA não seriam tão afetados, pois não dependem economicamente da Rússia, mas a Europa é muito dependente de matérias-primas russas (petróleo, gás etc), e as sanções podem se voltar contra ela.

A possibilidade de um conflito armado é real? Quais os impactos disso em termos locais e globais? A possibilidade de um conflito armado é real, mas, pelo fato de os ucranianos serem mais fracos que os russos militarmente, acho que não se arriscarão a enfrentar militarmente os russos. E acho que as pressões internacionais também ajudarão a evitar um conflito armado.

De que forma a política fragilizada da Ucrânia, com um governo interino, poderia dificultar um apoio internacional ao país? Realmente, o fato de o antigo presidente ter sido removido de forma extralegal (sem o processo legal de impeachment) mantém dúvidas sobre a legitimidade do governo atual. Isso parece não ser um problema para o Ocidente, mas faz a Rússia não aceitar acordos com o governo (ucraniano).

Com eleições marcadas para maio, é possível que a oposição consiga reverter a situação de insatisfação nas ruas, além de conseguir, de fato, a aproximação com a União Europeia? E qual a sua análise sobre as manifestações que tomaram o país até a queda de Viktor Yanukovich? Acho que o cenário das eleições é impossível de ser traçado neste momento e dependerá das negociações dos próximos dias, especialmente se a Rússia aceitar o pedido de anexação da Crimeia ou não.

A figura da opositora Yulia Tymoshenko, que no dia em que foi libertada da prisão chegou a dizer que concorreria à Presidência, é forte o suficiente para marcar um recomeço no país? A Ucrânia tem outros personagens fundamentais que poderiam favorecer o desenvolvimento do país? Yulia Tymoshenko ainda é uma figura forte, mas se desgastou com parte da população ucraniana (mesmo da Ucrânia ocidental) na época em que foi primeiro-ministra. Assim, não é uma figura de total consenso.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave