Copa encarece o Brasil, e ir a Paris fica mais barato que a Salvador

Pacote para a capital baiana sobe de R$ 2.020 para R$ 4.510 entre abril e junho

iG Minas Gerais | Queila Ariadne |

Solução. Alice Scudeller adiantou a viagem aos Estados Unidos para abril porque não encontrou passagem de volta a um preço razoável
JOAO GODINHO / O TEMPO
Solução. Alice Scudeller adiantou a viagem aos Estados Unidos para abril porque não encontrou passagem de volta a um preço razoável

São Paulo. Se junho e julho naturalmente já são alta temporada, imagina na Copa? Segundo as agências de viagens, com os preços nas alturas, a maioria dos brasileiros vai preferir nem viajar no período do Mundial. Mas a minoria que está disposta a passear está de olho no exterior. E faz sentido. Está mais barato ir para Paris do que para Salvador. E está mais em conta ir para Miami do que para 

A reportagem fez simulações para seis das 12 cidades-sede, saindo de Belo Horizonte, comparando uma semana de abril com uma semana no mês de junho. Um pacote para a capital baiana sobe 123%, de R$ 2.020 para R$ 4.510. Segundo cotação da Mappa Turismo, um pacote para Paris, em junho, pode custar R$ 4.393, sem as tarifas de embarque. Em relação a abril, o preço está até mais barato, com redução de 3%.

Para Miami, ainda segundo cotação da Mappa, é possível ir em junho por R$ 4.532, 11% a mais do que em abril. Já para São Paulo, os preços variam de R$ 2.100 a R$ 11.130, de acordo com simulações feitas no site Decolar.com. Em abril, é possível gastar de R$ 1.490 a R$ 6.381, ou seja, a diferença vai de 41% a 74%.

De acordo com diretora da Mappa, Cristiana Gouthier, os clientes têm tentado se desvencilhar do período da Copa do Mundo, jogando a viagem para a segunda quinzena de julho. “As pessoas até procuram, mas, quando olham os preços, se assustam. E, mesmo com o câmbio alto, muita gente está preferindo viajar para fora”, afirma.

Melhor antecipar. Para a geógrafa Alice Scudeller,25, que já planejava ir para os Estados Unidos nas férias deste ano, a alternativa foi antecipar a viagem. “Eu queria ir em maio e voltar em junho. Mas, como nesta época já tem muita gente de fora vindo para o Brasil, como jornalistas e equipes técnicas, os voos de volta já estão lotados e eu não consegui um preço bom”, conta Alice, que viaja em abril.

A estratégia deu resultado. “Consegui uma promoção pagando a ida e a volta com 60 mil pontos. Se eu fosse depois, iria gastar 120 mil milhas, só com a ida.”

A consultora de viagens da Terramares, Paula Melo, afirma que será muito difícil viajar durante a Copa, não apenas pelos preços altos, mas pela oferta de assentos. “O avião que vai levar o turista brasileiro é o mesmo que vai trazer o turista europeu. Vai ficar mais difícil, mais caro, mas ainda nem sabemos o quanto, pois a Fifa ainda está desbloqueando os hotéis e o aéreo que ela reservou, o que pode surtir um efeito no mercado”, analisa. “Será difícil, mas será possível. Vai ser um trabalho de formiguinha”, afirma Paula.

Leia tudo sobre: copa; viagem