Avacoelhada

iG Minas Gerais |

Em ritmo de decisão, o América enfrenta o Villa Nova, às 16h, no Independência. Apesar do desfalque de Leandro Guerreiro, Andrei e Willians, o Coelhão tem total capacidade de fazer prevalecer o mando de campo e, com a participação da torcida, conquistar mais três pontos a fim de buscar o G-4. Jogar com paciência para trocar passes e envolver o adversário. Oportunidade para Caballero, Marcelo e Diego mostrarem potencial. Tchô deve jogar ao lado de Kaio ou Elvis para dividirem a responsabilidade da ligação centralizada com tabelas e infiltrações na grande área. Elsinho e Gilson buscarem a linha de fundo com mais intensidade. Ricardinho, em processo de recuperação do ritmo de jogo, é opção de atacante pelos lados. Henrique precisa mostrar poder ofensivo. Obina aproveitar com eficiência as assistências. Descontração no Bar da Sandrinha.

A voz da Massa

Saudações alvinegras! Hoje, Autuori decidiu, mais uma vez, usar o time B contra o Guarani, em Divinópolis. Esse tem sido o método do técnico no Mineiro: em casa, ele escala os titulares e, fora, vai de time reserva. Acho que é uma estratégia eficaz, visto que Autuori consegue, dentro da mesma competição, dar ritmo de jogo a todo o elenco, como também observar quem pode atuar na equipe titular, no caso de uma necessidade repentina. E, a bem da verdade, não está fazendo diferença nenhuma escalar o time reserva ou o titular, pois os reservas – mais a garotada da base – estão passando por cima dos adversários. Foi assim contra a URT e contra o Villa Nova, ambas as partidas fora de casa e que acabaram em goleada do Galo. Essa é a vantagem de se ter um elenco forte e competitivo como o nosso. Time A ou o B, tanto faz, só dá Galo!

A voz Celeste

Quando os clubes do interior de Minas Gerais vão ser fortes? Pensei que, neste ano, algum clube do interior poderia se destacar. Depois de nove rodadas, vejo que ninguém se preparou para o campeonato mais importante que disputam. Seria como o maior de Minas e o nosso maior rival entrassem no Campeonato Brasileiro só para competir. E não é para falar que não tem dinheiro! Nos últimos três anos, os clubes do interior estão recebendo uma verba boa – o que dá para fazer um futebol competitivo. Mas os clubes não têm feito isso. O nível técnico está muito baixo, e o Cruzeiro e o nosso maior rival continuam reinando. Outra coisa: minha terra de coração está mais triste, mas o céu ficou mais alegre. O amigo Alberto, com quem estive no Carnaval, nos deixou. Meus sentimentos aos familiares!

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave