Thiago Pereira reclama que Jogos Sul-Americanos não terão transmissão

Apesar da presença de diversos atletas de renome, principalmente na ginástica, no atletismo e na natação, o evento não será transmitido pela Record

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Thiago Pereira encerrou sua participação em Barcelona com duas medalhas de bronze
Satiro Sodré/CBDA
Thiago Pereira encerrou sua participação em Barcelona com duas medalhas de bronze

Um dos principais nomes da delegação brasileira que está nos Jogos Sul-Americanos de Santiago, Thiago Pereira mostrou insatisfação, nesta sexta-feira, com o fato de a competição no Chile não ser transmitida por nenhum canal para o Brasil. O nadador, que conquistou duas medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres, no ano passado, atacou principalmente a Record, que é a detentora dos direitos de transmissão.

"A Record diz que é a emissora do esporte olímpico brasileiro. Gostaria de saber o real motivo de não transmitirem as nossas provas, não só da natação, mas de todas as modalidades", lamentou o nadador, que é vice-presidente da Comissão de Atletas da Fina (Federação Internacional de Natação) e membro da Comissão de Atletas do COB (Comitê Olímpico Brasileiro).

Os Jogos sul-americanos começaram nesta sexta-feira com a participação de 490 atletas brasileiros, de modalidades olímpicas e não-olímpicas. Thiago é um dos destaques da delegação, que tem Yane Marques, Arthur Zanetti, os irmãos Hypolito e boa parte da seleção campeã mundial do handebol, entre outros.

Apesar da presença de diversos atletas de renome, principalmente na ginástica, no atletismo e na natação, os Jogos não serão transmitidos pela Record. A emissora fez grande cobertura dos Jogos de Inverno de Vancouver/2010, do Pan de Guadalajara/2011 e dos Jogos de Londres/2012, quando tinha direitos exclusivos de transmissão.

Nos Jogos de Sochi, este ano, o volume de transmissões foi menor. Agora, nos Jogos Sul-Americanos, não foi informada a transmissão ao vivo de nenhum evento realizado no Chile. A emissora se gaba que tem também direitos exclusivos sobre o Pan de Toronto, em 2015.

"Está cada vez mais difícil ser um atleta olímpico no Brasil. Sem visibilidade não temos retorno dos patrocinadores, algo que é inadmissível faltando dois anos e meio para uma Olimpíada em nossa casa. Nós precisamos ficar em evidência e o Sul-Americano é muito importante. Concordo que somos o país do futebol, é uma questão cultural, mas há espaço. Vejo tudo isso como uma falta de respeito aos atletas brasileiros", reclamou Thiago.