Carlaile não dá sequência a ações de austeridade

Economia com plano chegaria a R$ 220 mi

iG Minas Gerais | Da Redação |

Fração

Até agora, apenas R$ 29 milhões dos R$ 220 milhões planejados serão economizados em três anos. Isso se nenhum projeto aumentando vencimentos ou criando mais cargos for encaminhado para aprovação dos vereadores

A Câmara, apesar de ter aprovado a diminuição do salário de prefeito para R$ 15.800 em janeiro, ainda não apreciou o projeto de lei que estabelece o teto salarial para os apostilados. Sem essa votação, a medida tomada por Waldir, que geraria R$ 5,4 milhões de economia na folha de pagamento, está ameaçada.

Também estão paralisadas as iniciativas de resgatar contrapartidas sociais devidas por grandes empreendimentos, como a construção de duas creches para liberação do Parque Torino, condomínio empresarial que está sendo construído às margens da 381. “Mapeamos essas contrapartidas como forma de diminuir o déficit da educação infantil, que deixa mais de 22.000 crianças de Betim, com até 5 anos, sem cuidados adequados”, lamentou Waldir Teixeira.

Já o coordenador do programa “Cidade Limpa”, Ronievon Fonseca, o Neguinho, teve a sua nomeação anulada por Carlaile, deixando inoperante a limpeza da cidade, que já vinha dando resultados, mesmo custando 30% a menos.

Dificuldade

Carlaile Pedrosa, apesar de reassumir o posto, ainda não voltou à rotina nem está frequentando o gabinete do prefeito com a regularidade que o cargo exige. Seguindo prescrição médica, ele se mantém recolhido em seu sítio, na zona rural de Betim, sendo visto apenas na visita da presidente Dilma Rousseff e por duas vezes no evento religioso Rebanhão do Senhor.

Ainda enfraquecido pela cirurgia cardíaca e com dificuldades para caminhar, devido a fortes dores no joelho, o prefeito optou por despachar em casa, onde recebe os secretários mais íntimos e se aconselha com os irmãos Ciro, Cleide e Cleanto, este último ocupou cargo de secretário na gestão da petista MDC.

A relação com Waldir Teixeira, até agora, é inexistente. O vice reclamou que não está havendo diálogo, apesar de ter tomado todas as medidas de acordo com orientações de Carlaile. “Antes de sair, ele me deu carta branca. Tudo o que fizemos, apesar de contrariar alguns aliados, era inadiável, devido à situação econômica da prefeitura. A gestão pública deve primeiro beneficiar a população. Doa a quem doer”, disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave