O cotidiano celebrado na pintura de Lorenzato

Trabalhos que podem ser vistos até domingo são da coleção de Antônio Carlos Figueiredo, que assina a curadoria

iG Minas Gerais | da redação |

Um a das pinturas  de Amadeo Lorenzato na mostra do Centro de Arte Popular
Daniel Mansur divulgacao
Um a das pinturas de Amadeo Lorenzato na mostra do Centro de Arte Popular

Só até este domingo pode ser vista no Centro de Arte Popular – Cemig a exposição “Lorenzato Amadeo – Celebração do Cotidiano”, que apresenta 63 obras do artista, abrangendo: 54 pinturas sobre tela, seis pinturas sobre concreto, duas esculturas em concreto, um tubo de concreto pintado e outros objetos pessoais como pentes usados nas pinturas, pinceis, espátulas e tinteiros.

Amadeo Lorenzato (1900- 1995) levou às telas aquilo que testemunhava: o dia a dia na periferia, belas paisagens – sejam elas mineiras ou de outros lugares ativos em sua memória –, entre retratos de sua mulher e outros afetos.

A exposição tem curadoria de Antônio Carlos Figueiredo e expografia de Isabela Vecci. Grande admirador da obra de Lorenzato, Figueiredo diz que o conheceu na década de 1960 e logo estabeleceu com ele uma relação de grande afinidade. Dono de um conjunto de cerca de 200 peças de autoria de Lorenzato, o colecionador selecionou 63 obras para a mostra.

Nascido no Barreiro, aos 20 anos o artista foi para a Itália, retornando ao Brasil em 1948, período em que trabalhou como pintor na construção de cidades durante as duas guerras. Estudou na Real Academia de Arte de Vicenza quando aperfeiçoou o estilo de pintura que viria consolidar sua carreira.

Serviço. Exposição de Lorenzato no Centro de Arte Popular – Cemig (rua Gonçalves Dias, 1.608, Funcionários). Nesta sexta das 10h às 19h. Sábado e domingo das 12h às 19h. Até domingo. Entrada franca.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave