'Pintura' de Everton Ribeiro fica de fora da disputa ao Prêmio Puskás

Mesmo tendo marcado o gol de chapéu dentro do prazo estabelecido pela Fifa, feito do meia celeste foi ignorado

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Joao Godinho/O Tempo
Éverton Ribeiro lembra com carinho do golaço que marcou contra o Flamengo
Parecia óbvio que o antológico gol marcado por Everton Ribeiro, no última dia 21 de agosto, contra o Flamengo, disputaria o Prêmio Puskás, de mais bonito do ano. Para a Fifa não foi e a pintura do meia cruzeirense não figurou entre os dez melhores da temporada. Na primeira partida da oitava de final da Copa do Brasil, Everton Ribeiro garantiu a vitória celeste ao dar um chapéu em Luiz Antônio e emendar uma bomba de pé esquerdo  no ângulo do goleiro Felipe, que ficou estático diante do feito do armador celeste. Pela plasticidade e o nível de dificuldade que envolveu a jogada, Everton Ribeiro elegeu  aquele como o gol mais bonito de sua carreira e esperava que pudesse entrar na disputa pelo Prêmio Puskás. Pelo feito, o jogador recebeu homenagem da diretoria celeste e um painel no Mineirão, eternizando a obra de arte no estádio. Vale frisar que o gol de Everton Ribeiro foi marcado dentro do prazo estabelecido pelos organizadores para que pudesse entrar na disputa, que é entre 1 de novembro de 2012 e 2 de outubro de 2013. Desta forma, a exclusão do gol foi decisão técnico do grupo de especialistas e membros do Comitê de Futebol da FIFA responsáveis por elegerem os dez tentos que irão para a final da premiação. Clique aqui e confira os gols finalistas ao prêmio.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposaeverton ribeirogolpremio puskasfifa